Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2017

O ENCONTRO MAIS ÍNTIMO NÃO É O SEXUAL,E SIM DESPIR-SE EMOCIONALMENTE

Imagem
O encontro mais íntimo não é o sexual, e sim despir-se emocionalmente
O encontro mais íntimo entre duas pessoas não é o sexual, mas sim despir-se emocionalmente. Uma troca que acontece quando o medo é vencido e nos entregamos ao outro do jeito que somos, em cada uma das nossas vertentes. Isso não é fácil de alcançar. De fato, despir-se emocionalmente não é algo que se consiga rapidamente, muito menos com qualquer um. É preciso tempo, força e vontade de ouvir, sentir e abraçar emoções. Autoconhecimento e heteroconhecimento, isto é, o conhecimento de si mesmo e o da realidade do outro. Visto assim, não parece à toa que o termo que as escrituras bíblicas usam para falar do amor sexual ou do estabelecimento da intimidade seja CONHECER. Este artigo trata de se conhecer e se despir em paixões, em sentimentos e em história emocional… O ato de despir-se emocionalmente começa em si mesmo O despir emocional começa por si próprio. Isto é, é muito importante se identificar com o que se sente e percebe…

"NÃO CONFIO MAIS NOS HOMENS",DIZ VÍTIMA DO GOLPE DA CAMISINHA...

Imagem
Vítimas do "stealthing" tem incentivado a criação de campanhas mundo afora contra a prática

"Não confio mais nos homens", diz vítima do golpe da camisinha... 
Thamires Andrade
Do UOL
08/05/2017 13h29

Os relatos de mulheres vítimas do "golpe da camisinha", quando o parceiro remove o preservativo durante a relação sexual sem consentimento, estão aparecendo com frequência cada vez maior. Esse novo tipo de violência sexual tem gerado campanhas mundo afora --o ato é conhecido como "stealthing" ("dissimulação", em tradução livre para o português). Veja, abaixo, o relato da universitária R. T., 25 anos, que passou por essa situação. Ela ficou tão traumatizada que, desde então, não conseguiu ter mais nenhum parceiro. "Sou mãe solteira e não tenho namorado. Costumava procurar parceiros em um aplicativo de paquera e foi lá que reencontrei um conhecido, o Eduardo*, filho de uma amiga da minha mãe. No passado, tínhamos muita afinidade, conversávam…