quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

COMO OS ROBÔS E A REALIDADE VIRTUAL VÃO AFETAR A PROSTITUIÇÃO E O MUNDO DO SEXO


Como os robôs e a realidade virtual vão afetar a prostituição e o mundo do sexo

Sexta-feira, 03 de Junho de 2016

Apesar de muita gente achar estranho ou ainda tratar como brincadeira, os robôs sexuais já são uma realidade e estão entre nós. Ou pelo menos entre os poucos entusiastas dessa tecnologia que já abraçaram uma tendência que, segundo analistas, é o futuro.
A gente já comentou sobre esse assunto antes, mostrando o quanto as empresas especializadas nessa nova geração de “bonecas infláveis” está se dedicando a fazer produtos cada vez mais realistas. É claro que muita gente vai torcer o nariz para esse tipo de coisa, mas não podemos dar as costas para a tecnologia e as possibilidades que ela oferece — por mais bizarra que às vezes ela seja. Prova disso é que esses brinquedos de luxo não só estão ganhando cada vez mais espaço no mercado do prazer como ainda trouxeram à tona uma série de questões relacionadas à indústria do sexo.
Afinal, como essa nova linha de produtos vai impactar uma série de outros segmentos, incluindo a prostituição? De novo: não é piada. O mercado do sexo é algo que movimenta milhões e milhões de dólares todos os anos, seja com pornografia, estabelecimentos dedicados, produtos para fins sexuais e até mesmo prostituição. Se a chegada desses robôs for tão impactante na vida das pessoas como muitos especialistas preveem, pode ser que tenhamos uma reviravolta imensa na forma como vemos e consumimos tudo isso — e em alguns conceitos bem antigos.
Uma quebra de paradigma
O consultor britânico em tecnologia Ian Pearson divulgou um estudo chamado “O Futuro do Sexo: O Surgimento dos Robossexuais”, um artigo no qual destaca exatamente a tendência das pessoas se apaixonarem por robôs e inteligências artificiais, chegando até mesmo ao sexo em si.
Nessa pesquisa, ele aponta que o sexo com robôs é algo que deixará de ser tabu ao longo das próximas décadas, principalmente com a expansão da Internet das Coisas e a chegada de tecnologias que vão permitir que as pessoas conectem seus sistemas nervosos ao sistema das máquinas. Desse modo, ele afirma que vai ser comum que as pessoas tenham um robô em suas casas para satisfazê-las sexualmente, o que faria dele apenas um acessório.
Assim, a distinção entre amor e sexo ficaria mais distinta e os casais não veriam o uso desses bonecos como traição, já que o seu uso seria socialmente aceito. Afinal, você não sente ciúmes de um vibrador, então não precisaria terminar um relacionamento por causa de uma máquina que faz exatamente a mesma coisa.
Só que esse cenário quase inocente pode trazer consequências enormes para outros setores da indústria do sexo. Ao mesmo tempo em que as fabricantes desses robôs vão lucrar milhões, o mercado de prostituição pode receber um enorme baque.
 
Afinal, por que as pessoas vão procurar as profissionais do sexo quando podem encontrar esse prazer em casa? À primeira vista, essa é uma preocupação que não parece ter sentido, mas não é preciso ir muito longe para entender a preocupação existente em torno da chamada profissão mais antiga do mundo. É claro que comprar um robô vai ser muito mais caro que contratar uma prostituta, mas sempre há aquele que vai pensar na aquisição como um investimento. Ao invés de sair com dez meninas ao longo do ano, ele pode guardar seu dinheiro e comprar uma boneca sexual para satisfazê-lo por muito mais tempo.
Além disso, há toda a questão da segurança. De uso individual, um robô não corre o risco de transmitir uma doença por meio do sexo, o que já é uma enorme vantagem nessa disputa. Além disso, os pontos de prostituição são quase sempre marginais, em áreas não muito seguras das grandes cidades. Assim, é fácil imaginar que muitas pessoas podem preferir o conforto e a segurança da sua casa do que se arriscar em áreas pouco convidativas. Isso sem falar que um robô jamais vai questionar suas fantasias, por mais estranhas que elas sejam.
É claro que as prostitutas sempre vão ter o fator humano a seu favor. Fazer sexo com uma pessoa de verdade é muito diferente de fazer isso com um pedaço de plástico, borracha e seja lá qual for o material usado na fabricação dessas peças. Contudo, as fabricantes desses robôs já estão investindo pesado em maneiras de simular essa “humanidade” durante as relações sexuais, seja fazendo expressões faciais diferentes para cada tipo de ação feita ou mesmo explorando as possibilidades da inteligência artificial.
O que nos impede daqui a 30 anos ter uma IA evoluída a ponto de realmente simular o comportamento de uma pessoa durante o sexo? Isso pode fazer com que a relação entre prostitutas e robôs possa caminhar para algo bem próximo do que temos hoje entre taxistas e o Uber: uma mudança radical na forma como as pessoas consomem um tipo de serviço, criando uma alteração tão grande que vai afetar quem trabalha à moda antiga. A diferença é que, neste caso, há uma série de fatores que favorecem as máquinas, o que torna essa disputa ainda mais complicada para as profissionais do sexo.
Fonte: http://correiodolago.com.br/noticia/como-os-robos-e-a-realidade-virtual-vao-afetar-a-prostituicao-e-o-mundo-do-sexo/35261/#sthash.IHyXEaAP.dpuf

domingo, 12 de fevereiro de 2017

O QUE FAZER QUANDO A RELAÇÃO ACABA ?

Resultado de imagem para O que fazer quando a relação acaba?

O que fazer quando a relação acaba?

BY    16 JUNHO, 2016 
Terminar uma relação é, geralmente, sempre doloroso. Especialmente se foi uma relação muito intensa e/ou longa, em que demos muito de nós à outra pessoa.
Muitas pessoas, quando terminam um relacionamento caem no erro de querer, logo de imediato, envolver-se noutra relação ou quererem logo “apaixonar-se de novo”.
Isto pode ser, não só perigoso, mas um verdadeiro desastre, principalmente se o motivo desta “nova relação” for o medo de ficarmos sozinhos ou a necessidade de “encobrir” a dor da separação.
Em ambos casos, um novo relacionamento imediato, pode não resolver as coisas e pode até agravar certos aspectos.
Quando nos separamos de alguém a quem dedicamos algum tempo, atenção e amor, não é boa ideia envolvermo-nos noutra relação logo de imediato, pois:
  1. precisamos de “desintoxicar-nos” primeiro da relação anterior;
  2. a única forma de conseguirmos estar bem na companhia de alguém, é primeiro aprendermos a usufruir da nossa companhia;
  3. uma nova relação vem sempre com novas alegrias, mas também com novos desafios que podemos não estar preparados a enfrentar ainda;
  4. a nova relação pode não preencher-nos como estávamos a espera, pois não estamos ainda emocionalmente preparados para embarcar nela.
648_science-broken-heart-main
Assim sendo, uma separação pode na realidade ser uma oportunidade que o Universo nos está a dar para aprendermos a estar connosco, a usufruir da nossa companhia e a saborear as coisas da vida, sem necessariamente estarmos envolvidos com alguém.
O mundo é um universo de possibilidades infinitas por explorar, conhecer, vivenciar e sentir. Porquê ficarmos então “presos” a algo que já não existe?
Abaixo, deixo algumas dicas maravilhosas que poderão ajudar a quem esteja a passar por um momento de separação e precise de uns insights inspiradores:
Aprenda uma nova língua
Para além de treinar o seu cérebro, manterá a sua mente ocupada e poderá sempre conhecer novas pessoas.
Viaje
budget-travel
Viajar é um dos maiores e melhores prazeres da Vida. Viaje para um local onde nunca esteve antes e fique lá por algum tempo e volte apenas quando sentir que está preparado/a. Lembra-se daquele amigo/amiga que vive longe e que está sempre a convidá-lo/a a ir visitá-lo/a? Pois é! Esta será provavelmente uma boa altura para uma nova aventura e na companhia de um/a grande amigo/a, ou mesmo sozinho/a caso assim deseje!
Exercite-se
exercising-while-traveling
Sempre quis exercitar-se e nunca teve tempo/disposição? Então esta é a altura ideal! Entre num ginasio, comece a fazer caminhadas. Aprenda a cuidar do seu corpo e a apreciá-lo, não apenas sob os olhos dos outros, mas acima de tudo, sob os seus próprios olhos. Seja o/a seu/sua maior admirador/a!
Aprenda a tocar um instrumento
Aprenda a tocar um instrumento e dedique-se a isso de verdade. A música é uma das melhores terapias que existe e não tem contra-indicações!
Torne-se Voluntário/a
volunteer-hands2
Voluntarie-se para uma acção, uma causa, um propósito. Se não sabe como lidar com as suas emoções, uma das melhores formas é doar-se aos outros. Perceberá que existe um Universo fora do Seu e perceberá que ajudando os outros, poderá ajudar-se muito a si mesmo/a!
Invista num negócio
Sempre teve vontade de investir em algo seu e tornar-se mais independente, mas não teve oportunidade antes? Pois esta é a melhor altura. Organize-se, planeie, peça apoio e siga em frente. (Se está em Maputo, clique aqui para ver algumas dicas de quem poderá ajuda-lo/a: Ideário HubIdeialab).
Comece a praticar Yoga e Meditação
yoga-tree
Sempre quis experimentar, mas por preguiça, resistência ou mesmo cepticismo nunca arriscou. E que tal arriscar agora? Não terá nada a perder, só a ganhar. E em Maputo já existem diversos sítios onde pode praticar Yoga e juntar-se a grupos de Meditação (veja o nosso Directório).
Crie um blog ou escreva um livro
Escreva artigos, crónicas, histórias. Tire tudo de maravilhoso que tem dentro de Si e que nunca teve coragem de tirar. Partilhe-se com o mundo e irá atrair pessoas e experiências muito enriquecedoras.
Faça um Curso
Seja um curso técnico, ou superior, é sempre bom aprender e poderá sempre conhecer pessoas novas e ampliar os seus horizontes, para além de enriquecer o seu CV e as suas habilidades.
Comungue mais com a Natureza
Embrace-Nature-Why-it-is-Important-to-Go-for-a-Walk-in-Nature-Once-in-a-While
Ande mais a pé. Sinta a brisa no rosto. Agradeça por estar vivo/a. Vá mais à praia e ande descalço na areia, vá ao campo e sinta a energia que tudo UNE!
Divirta-se
Sempre foi caseiro/a, pacato/a? Bem, talvez seja o momento de experimentar novas experiências, novos lugares e novas pessoas. Divirta-se, sempre com segurança, mas divirta-se! Entre num curso de dança, faça um curso de culinária, saia com amigos, vá beber um copo, dançar, “flirtar”. Nunca se sabe quem poderá estar no seu encalço!
Re-aproxime-se da sua família
Já há algum tempo que anda afastado/a de pessoas queridas, por conta das suas obrigações e stress diários? Talvez esta seja uma boa altura para voltar a aproximar-se e sentir o calor familiar que talvez há muito já não sinta.
Usufrua mais da sua Companhia
201012-w-hot-chocolate-lake-champlain
Durma mais, aprecie um bom livro, um bom vinho, um bom chocolate quente, num dia frio, ou uma música inspiradora, com a pessoa mais importante da sua vida: Você!
Cultive-se
Para além de ler mais e fazer cursos, participe mais em palestras, workshops, seminários que possam trazer alguma mais-valia para o seu desenvolvimento como pessoa. Invista em Si. Você merece!
Desperte a sua sensualidade
creepy hollows spirell love
Comece a ganhar mais intimidade com o seu próprio corpo. Toque-se, sinta-se, acaricie-se, com prazer, sem culpa. Olhe-se ao espelho e aprenda a admirar a pessoa que vê. Esta é a melhor forma de se conhecer e de saber o que lhe dá mais prazer. E quando estiver com um novo alguém, já saberá como usufruir melhor do momento e do prazer que o seu corpo lhe pode dar.
Abra a sua casa
Sempre foi do tipo de pessoa fechada, de receber pouca ou nenhuma visita em casa? Bem, que tal começar a ser mais aberto/a, organizar um convívio de vez em quando e convidar pessoas e amigos queridos?
Redecore o seu espaço
73a0b2a130ea450000ec19e263a62f06
Re-decorar o nosso espaço pode ser uma das melhores terapias. Re-organize os seus móveis, doe tudo o que já não precisa, compre aquele vaso que já quer há tempos. Coloque flores com cores vivas. Pinte uma parede de vermelho. Faça tudo o que sempre desejou. Afinal, a casa é sua e você merece tê-la como deseja. (Clique aqui para ver dicas inspiradoras de artigos e acessorios para redecorar o seu lar: Loja Indika).
Alongue-se
Você sempre teve medo de conduzir? Desafie-se e experimente tirar a carta de condução. Medo de alturas? Junte-se a um grupo de paraquedismo de confiança e experimente. Medo de nadar? Entre num curso de natação. Tente vencer todos os seus medos. Um por um. Sem pressa. Isto irá ajudá-lo/a a ganhar mais confiança em si mesmo/a!
E por último,
Cultive em Si o que deseja ver nos outros
35d10c7
Todas as qualidades que deseja ver nos outros e num/a futuro/a companheiro/a, trate de cultivar em Si primeiro! A única pessoa com quem você passará o resto da sua vida, todos os dias, é você mesmo. Porque não tornar-se numa pessoa mais agradável, mais serena, mais divertida, mais equilibrada? Experimente, você consegue.
Lembre-se: hoje é o primeiro dia do resto da sua vida! 🙂
Fonte:http://alma.indika.cc/o-que-fazer-quando-a-relacao-acaba/?
Resultado de imagem para O que fazer quando a relação acaba?

VIDA SEXUAL,A INTIMIDADE A DOIS CELEBRADA COMO TANTRA

Resultado de imagem para TANTRAImagem relacionadaResultado de imagem para TANTRAImagem relacionadaResultado de imagem para TANTRAImagem relacionadaVIDA SEXUAL,A INTIMIDADE A DOIS CELEBRADA COMO TANTRARevista Bons Fluidos:"Um AMOR de sexualidade"

Matéria de Ana Rita Martins / Novembro-2013

Bons Fluidos Tantra Centro Metamorfose

Bons Fluidos Tantra Centro Metamorfose
Bons Fluidos Tantra Centro Metamorfose
Bons Fluidos Tantra Centro Metamorfose
Bons Fluidos Tantra Centro Metamorfose
Bons Fluidos Tantra Centro Metamorfose

Fonte:http://www.centrometamorfose.com.br/na-midia/bons-fluidos

Resultado de imagem para TANTRA

sábado, 4 de fevereiro de 2017

APLICATIVO DE SEXO ORAL MANDA LAMBER A TELA DO CELULAR !

Aplicativo de sexo oral manda lamber a tela do celular!
“Pare de dedilhar o seu celular e comece a lambê-lo”. Esse é o slogan do aplicativo Lickster, que transforma a tela do aparelho em uma vulva digital pros homens aprimorarem suas habilidades no sexo oral. Como se você jogasse Guitar Hero com Just Dance usando a língua. Incrível, revolucionário, questão de utilidade pública. Pena que o app não existe de verdade. É fake, droga!!! Foi uma sacada do canal gringo The Kloons no Youtube, responsável pelo “desenvolvimento” da ferramenta tecnológica e sua hilária propaganda em vídeo (abaixo).
Lickster desafia os usuários nos exercícios que testam velocidade, ritmo e pressão de suas lambidas. Também guia por setas sugerindo novos movimentos e truques (gargalhei) capazes de transformá-los em profissionais da cunilíngua. Feedbacks e elogios sonoros motivam o aprendizado, cuja evolução é registrada estatisticamente. E não é só isso. Você pode compartilhar sua pontuação nas redes sociais, convidando outros amigos a baixar o app e disputar o topo ranking. Tudo por míseros $2.99 – cerca de R$ 9.
No “comercial” do Lickster, o apresentador lembra que APENAS 25% das mulheres consegue chegar ao orgasmo com penetração. Infelizmente, esse dado NÃO É FAKE. E daí a importância de proporcionar a elas outros estímulos. “Goste ou não, seu pau nunca vai se comparar a uma boa lambida”, diz. A julgar pelos aplicativos e sex toys modernosos no mercado erótico, já já algum gênio viabiliza um Lickster. Tomara que, ao fazer o download, o comprador receba em casa uma película higiênica pra vestir o celular durante os exercícios.
*Nathalia Ziemkiewicz, autora desta coluna, é jornalista pós-graduada em educação sexual e idealizadora do blog Pimentaria.
Fonte:https://br.vida-estilo.yahoo.com/aplicativo-de-sexo-oral-manda-lamber-a-tela-do-celular-162534540.html

É POSSÍVEL MORRER POR CAUSA DE UMA RELAÇÃO SEXUAL ? MÉDICOS EXPLICAM

É possível morrer por causa de uma relação sexual? Médicos explicam

Imagine que você está no meio de um ato sexual e começa a passar mal. Pode ser que seu coração esteja entrando em sofrimento ou que você esteja sofrendo um AVC (acidente vascular cerebral). Sim, é possível morrer durante o sexo. Mas calma, a cena, bastante mórbida, tem mais chances de acontecer na ficção do que na vida real.
"Essas fatalidades, geralmente, são causadas por algum problema de saúde prévio, não pelo sexo em si", comenta Claudio Gil Araújo, médico do esporte e professor do Instituto do Coração da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).
O médico é coautor de uma revisão publicada em 2016 no periódico científico Canadian Journal of Cardiology (Revista Canadense de Cardiologia, em tradução livre), que levantou os riscos cardiovasculares do ato sexual.
Os dados encontrados em quase 130 artigos foram baixíssimos. A morte cardíaca súbita, um evento raro por si só, apresentou uma taxa de ocorrência de 2% em todas as mortes relacionadas à atividade física – das caminhadas leves às práticas extremas. 
"O sexo é considerado um exercício de baixa intensidade, ou seja, com menor risco ainda", comenta Araújo. "Um adulto saudável pode até morrer durante o sexo, mas é mais fácil ele ganhar na Loto sozinho."
Em boa parte dos casos, as mortes estão ainda relacionadas ao abuso de substâncias químicas, como drogas, estimulantes e álcool.
Segundo o cardiologista Maurício Barbosa, elas podem sobrecarregar o coração e levar ao estresse do órgão, prejudicando seu funcionamento. Existem ainda os casos de doenças cardíacas não diagnosticados.
Getty Images

Quem corre riscos?

"Cardiopatas ou doentes pulmonares têm mais riscos e precisam ser mais orientados", explica Barbosa.
Os problemas cardíacos considerados mais perigosos são a doença coronária grave, a insuficiência cardíaca e os pacientes com ponte de safena. Após um infarto, é preciso ainda esperar cerca de dois meses para a recuperação completa e, assim, voltar gradativamente à vida sexual.
Para ajudar doentes cardiovasculares a prevenir essas fatalidades ou outras intercorrências médicas durante o sexo, a pesquisa de Cláudio Araújo levou à criação do método KiTOMI - acrônimo para os termos em inglês beijo, toque, sexo oral, masturbação e transa, respectivamente. Por esse esquema, os pacientes são divididos em três grupos de risco: baixo, intermediário e alto risco.
Conforme a gravidade, vão sendo indicadas as atividades sensuais que os cardiopatas podem realizar. Funciona assim: pacientes de baixo risco podem fazer tudo (KiTOMI); os intermediários precisam evitar o ato em si (KiTOM); e os de alto risco estão liberados apenas para as interações leves: beijos e toque (KiT).

Homens correm mais risco que mulheres

É importante lembrar ainda que os homens têm mais riscos que as mulheres. Para cada dez homens que morrem transando, apenas uma mulher vem a falecer. A medicina ainda não sabe explicar as razões para essa diferença, mas há especulações que vão das diferenças hormonais à intensidade da atividade física durante o ato.
Fonte:https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2017/02/03/e-possivel-morrer-por-causa-de-uma-relacao-sexual-medicos-explicam.htm

domingo, 29 de janeiro de 2017

SAIBA COMO AGIR EM CASO DE ASSÉDIO SEXUAL

imagem contra assédio sexual
Saiba como agir em caso de assédio sexual

por Redação

29/01/2016 

Andar pelas ruas e ouvir um comentário obsceno sobre o seu corpo é um elogio? Ouvir uma cantada no ambiente de trabalho é algo natural? Ser “encoxada” no transporte público faz mesmo parte da rotina das grandes cidades? A resposta para todas essas perguntas é NÃO. Tudo isso é assédio sexual.
O que é assédio sexual?
O assédio sexual é uma manifestação sensual ou sexual, alheia à vontade da pessoa a quem se dirige. Ou seja, abordagens grosseiras, ofensas e propostas inadequadas que constrangem, humilham, amedrontam. É essencial que qualquer investida sexual tenha o consentimento da outra parte, o que não acontece quando uma mulher leva uma cantada ofensiva.
Porque devemos denunciar o assédio?
Dizer não ao assédio é não aceitar mais que mulheres sejam vistas como objetos sexuais passivos ou como vítimas frágeis do poder dos homens. Dizer não ao assédio é afirmar que as mulheres podem e devem ter controle sobre a própria sexualidade. É mostrar que podemos igualar a voz e o poder da mulher na sociedade, é não submeter as mulheres aos papéis sociais tradicionais.
As consequências
O assédio sexual tem causado impactos sérios e negativos na saúde física e emocional das mulheres. Entre os efeitos negativos relatados pelas vítimas, os mais citados são: ansiedade, depressão, perda ou ganho de peso, dores de cabeça, estresse e distúrbios do sono. Além disso, muitas delas podam sua própria liberdade e seu direito de escolha - deixando de usar uma roupa ou de cruzar uma praça, por exemplo - por medo de sofrer tais abordagens.
A raiz do problema
O que está por trás do assédio não é uma vontade de fazer um elogio. Na verdade, esse comportamento é principalmente uma tentativa de demonstrar poder e intimidar a mulher. E pode acontecer com qualquer tipo de mulher, independente da roupa que ela usa, do local onde ela está, da sua aparência física ou do seu comportamento. Ou seja, a culpa e a responsabilidade pelo assédio é sempre do assediador.
Assédio sexual versus paquera
As cantadas ou os assédios físicos não são uma forma de conhecer pessoas para um relacionamento íntimo. Uma paquera acontece com consentimento de ambas as partes: é uma tentativa legítima de criar uma conexão com alguém que você conhece e estima. Por outro lado, o assédio nunca leva a uma intimidade maior.
O sujeito que grita para uma mulher na rua de dentro do seu carro jamais quer ouvir a opinião da outra parte. Ele quer apenas se impor sobre ela. Quem confunde assédio sexual com paquera quer, na verdade, causar confusão justamente para poder continuar a fazer o que quiser sem dor na consciência. Paquera não causa medo e nem angústia. O mais importante é buscar o consentimento e aceitar “não” como resposta.
As roupas das mulheres
É errado achar que uma peça de roupa seja um sinal verde para qualquer tipo de violência sexual, inclusive a verbal. Todos têm o direito de sair de casa da maneira como preferirem, no horário que desejarem e para onde quiserem, sem temer qualquer tipo de abordagem grosseira.
Casas noturnas
Normalmente, as pessoas acreditam que, em casas noturnas, onde o ambiente é mais descontraído, é aceitável assediar as mulheres. Essa ideia precisa mudar. O consentimento deve ser dado de livre e espontânea vontade, antes do ato sexual. É importante lembrarmos que o consentimento não é a ausência de “não” ou o silêncio.
O assédio sexual, segundo a lei
O assédio sexual pode ser configurado como crime, de acordo com o comportamento do assediador. Vejamos:
Assédio sexual: O assédio caracteriza-se por constrangimentos e ameaças com a finalidade de obter favores sexuais feita por alguém de posição superior à vítima. (conforme Art. 216-A.do Código Penal)
Importunação ofensiva ao pudor: é o assédio verbal, quando alguém diz coisas desagradáveis e/ou invasivas (as famosas “cantadas”) ou faz ameaças. Tais condutas também são formas de agressão e devem ser coibidas e denunciadas. (Conforme Art. 61 da Lei nº 3688/1941)
Estupro: tocar as partes íntimas de alguém sem consentimento também pode ser enquadrado como estupro, dentre outros comportamentos. (Conforme Art. 213 do Código Penal: Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso)
Ato obsceno: é quando alguém pratica uma ação de cunho sexual (como por exemplo, exibe seus genitais) em local público, a fim de constranger ou ameaçar alguém. (Conforme Art. 233 do Código Penal)
O que uma mulher deve fazer quando recebe uma cantada?
Não há um protocolo para essa situação – mesmo porque muitas mulheres afirmam ter medo de sofrer violências piores ao reagir negativamente a uma abordagem.
Denúncias formais
Agir imediatamente em locais públicos:
A vítima de assédio sexual poderá denunciar o ofensor imediatamente, procurando um policial militar mais próximo ou segurança do local, caso esteja em um ambiente privado ou transporte público (exemplo: praças, faculdades, eventos, metrô). A vítima deve identificar o assediador, gravando suas características físicas e trajes, ou até mesmo tirando uma foto deste, que em casos recorrentes, poderá auxiliar as autoridades na identificação do sujeito.
Caso precise de ajuda, você pode procurar:
Delegacia de Defesa da Mulher (www.policiacivil.sp.gov.br)
Disque 180 (Central de Atendimento à Mulher)
Secretaria de Políticas para as Mulheres: ouvidoria@spm.gov.br e spmulheres@spmulheres.gov.br
Metrô de São Paulo: envie um SMS para (11) 97333-2252.
CPTM: envie um SMS para (11) 97150-4949
Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher da Defensoria Pública Rua Boa Vista, 103, 10º andar, São Paulo/SP, tel. (11) 3101-0155, ramal 233 ou 238, e-mail: núcleo.mulher@defensoria.sp.gov.br
Este conteúdo foi extraído do site da Defensoria Pública do Estado de São Paulo e está disponível em pdf neste link.

Fonte: https://catracalivre.com.br/geral/cidadania/indicacao/saiba-como-agir-em-caso-de-assedio-sexual/

imagem contra assédio sexual