10 COISAS QUE VOCÊ NÃO SABIA SOBRE A BIOLOGIA DO SEXO

 

10 coisas que você não sabia sobre a biologia do sexo

                                 
            
É o ato mais importante de sobrevivência da nossa espécie, e você até acharia que ele é simples, mas a verdade é que, para algo que é praticado desde sempre, sabemos muito pouco sobre sexo. Mas estamos aprendendo, e agora você vai saber um pouco mais do que já descobrimos em nossos laboratórios. Confira:

10. Excitação e nojo


Sexo é algo bastante… nojento. Se não fosse o prazer, provavelmente jamais faríamos sexo. Talvez seja por isto que quando estamos excitados, é mais difícil sentir nojo.
Em um estudo recente, 90 mulheres foram divididas em três grupos, “excitadas”, “não excitadas” e “neutras”, e receberam 16 diferentes tarefas, indo de “nojentas” a “muito nojentas” — coisas como limpar as mãos em lenços usados, pegar um balde cheio de camisinhas usadas e beber água em um copo com um inseto boiando na água.
O inseto era falso e as camisinhas não tinham sido realmente usadas, mas as participantes não sabiam disso. As mulheres que estavam excitadas estavam mais dispostas a fazer as tarefas que os outros grupos, especialmente se a tarefa “nojenta” tinha alguma coisa sexual, como o balde de camisinhas.

Parece que inibir a sensação de nojo é uma parte importante para as pessoas quererem fazer sexo.

9. Amnésia Global Transiente


Este é um fenômeno extremamente raro, afeta talvez 3 pessoas a cada 100.000 por ano, e foi relatado pela primeira vez em 1956. Basicamente, o indivíduo fica com amnésia por alguns momentos. Isso acontece de forma súbita, e em poucas horas se vai, mas neste período o indivíduo só lembra das coisas até certo ponto. E a vítima também esquece praticamente tudo que faz durante este período.
Mas o que isto tem a ver com sexo? Bom, na maioria dos casos, a pessoa estava fazendo sexo um pouco antes da memória ir para o quarto ao lado e deixá-la se perguntando “onde eu estou?”.

A amnésia global transiente parece não ter outro efeito colateral além da perda de memória, e nos casos em que as pessoas não estavam fazendo sexo durante o ataque, a condição que o disparou foi algo similar, como uma atividade extenuante de algum tipo, ou uma mudança súbita na temperatura do corpo.

8. Mulheres atraentes e saúde


O hormônio cortisol é a primeira resposta a situações estressantes, que envolvem respostas do tipo “lutar ou fugir”, como saltar de paraquedas. O que você provavelmente não sabia era que colocar uma mulher bonita em uma sala com um homem faz com que os níveis de cortisol no seu sangue aumentem consideravelmente.
Se o homem considerar a mulher extremamente atraente, em cinco minutos seus níveis de cortisol estão próximos dos níveis de um ataque cardíaco. E quanto mais atraente a mulher, maiores os níveis de cortisol.

A pesquisa feita por cientistas espanhóis testou os níveis de hormônio na saliva de homens, e descobriu que o interesse sexual é visto a nível hormonal como um desafio a ser vencido. Quanto mais perigoso (atraente) for o predador (a mulher), mais preparado o homem precisa estar para sobreviver (copular). Mas tem um porém: as mulheres perdem o interesse quando percebem que os níveis de estresse do homem estão muito altos.

7. Exercício orgásmico


Para a maioria de nós, ir para a academia é trocar uma coisa boa (no caso, tudo menos academia) pela academia. Mas para cerca de 5% das mulheres, há uma nova razão para se exercitar: orgasmos induzidos pelo exercício.
Em um estudo mais recente, ou melhor dizendo, em um questionário on-line, 15% das mulheres relataram ter experimentado o fenômeno e o dobro deste número relatou algum tipo de prazer sexual. Para as mulheres que estão curiosas, parece que o orgasmo acontece nos exercícios abdominais. Para os homens que estão querendo experimentar, lamento informar, mas aparentemente só funciona com elas.

6. Sexo em gravidade zero


Por enquanto, segundo os relatórios da Nasa, ninguém tentou fazer sexo em ambiente de microgravidade, e isso é bastante compreensível, dadas as dificuldades: não há tração, e você fica batendo contra as paredes. Além dos problemas com a lei — de ação e reação -, há ainda o problema biológico: como o esperma irá se comportar em microgravidade?
E, se houver concepção, existe um outro probleminha: o que a radiação vai causar ao feto? Não sabemos os efeitos causados pela radiação solar em um adulto, em uma viagem de 500 dias ou mais à Marte, quem dirá em um feto em desenvolvimento.

5. Melhora no sistema imunológico


Em uma pesquisa feita em 1999, descobriu-se que estudantes universitários que faziam sexo pelo menos duas vezes por semana tinham altos níveis de igA no corpo. O igA é um anticorpo encontrado no muco e é um bom indicador da saúde do sistema imunológico.
A explicação para os níveis elevados de igA era que, ao se expor regularmente aos germes que outras pessoas têm em seus corpos, estes estudantes estavam adquirindo imunidade a um espectro maior de vírus e bactérias.

Por outro lado, estudantes abstinentes tinham menos defesas biológicas. E agora, a pegadinha: estudantes que faziam muito sexo (três ou mais vezes por semana) apresentavam uma queda no igA, chegando aos mesmos níveis dos abstinentes.

4. Risco de câncer de próstata reduzido


Fazer sexo frequentemente pode não ajudar o sistema imunológico, mas vai reduzir o risco de desenvolver câncer de próstata. Um estudo que acompanhou durante oito anos um grupo de 30.000 homens descobriu que uma frequência de sexo de pelo menos 21 vezes por mês diminui em um terço a probabilidade de desenvolver esta doença.
Ainda não se sabe por que a ejaculação frequente tem este efeito no câncer de próstata. Uma das hipóteses é de que ela evita acúmulo de tecidos e fluídos que poderiam se infectar ou inflamar.

3. Genética sexual


O estudo da genética humana já revelou que temos alguns traços de genes neandertais, o que faz com que a gente pense no grande bacanal que não eram aqueles dias, mas o estudo do sexo em períodos arcaicos também dá pistas de outras coisas, como o movimento das populações humanas.
As similaridades genéticas entre neandertais, denisovanos, e ancestrais recentes estão servindo para mostrar que a teoria atual, que afirma que o Homo sapiens surgiu na África e de lá se espalhou, é um pouco simplista.

O estudo do genoma neandertal publicado em 2010, além do teste genético de pessoas vivendo em várias regiões da África, Ásia e Europa, está apontando uma história um pouco diferente: os primeiros humanos teriam saído da África, miscigenado com os neandertais, retornado para a África com estes traços neandertais, e daí espalhando-se e substituindo os genes nativos.

2. Vozes agudas


Um dos traços que tanto homens quanto mulheres associam à masculinidade é a voz grossa, a ponto de ser um traço que as mulheres inconscientemente procuram neles. A voz grossa está ligada a altos níveis de testosterona, que por sua vez estão conectados à capacidade de produzir bebês saudáveis.
Entretanto, uma pesquisa publicada em 2011 aponta que homens com voz mais grossa têm menor concentração de esperma que os homens com voz mais fina. Provavelmente trata-se de um compromisso evolucionário: homens mais masculinos têm mais chances de reproduzir, por isto não precisam concentração maior de esperma. Os homens que têm voz fina não tem tantas chances, então tem que aproveitar melhor as chances que aparecerem.

1. Espinhos penianos humanos


É um fato, a maioria dos mamíferos tem espinhos nos pênis, geralmente usados para induzir a ovulação depois do sexo ou para fazer com que as fêmeas tenham menos vontade de fazer sexo depois do encontro com eles. E o homem tem o código genético para a criação dos espinhos penianos, só que ele nunca é ativado.
Basicamente, o que acontece é que os genes podem fazer duas atividades diferentes, sendo uma delas a codificação de proteínas, e a outra a ativação e desativação de trechos de código genético em momentos específicos.

Nos seres humanos, a fábrica proteica dos espinhos penianos existe, mas o código genético que a ativa desapareceu. Por quê? O melhor palpite que temos vem do fato que mamíferos que têm muitos parceiros sexuais têm espinhos mais proeminentes, enquanto os mamíferos que se unem em casais têm espinhos recessivos.
Por exemplo, os espinhos penianos dos chipanzés se parecem mais com carocinhos. Em algum momento, se tornou mais vantajoso aos humanos formar casais estáveis, e alguma mutação que eliminou a chave que ativa os espinhos acabou se tornando popular. [Listverse]

Fonte:http://hypescience.com/10-coisas-que-voce-nao-sabia-sobre-a-biologia-do-sexo/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

15 SINAIS QUE ELE QUER SÓ SEXO

GUIA ILUSTRADO DE SEXO ORAL EM MULHERES E HOMENS

O QUE É A EJACULAÇÃO FEMININA ?