EJACULAÇÃO PRECOCE : COMO SABER SE VOCÊ TEM E O QUE FAZER

Ejaculação precoce: como saber se você tem e o que fazer

19 de janeiro de 2016

Imagine uma prova de atletismo: todos os competidores posicionados lado a lado aguardando o som que autorizará a corrida. Um deles dispara antes da hora, queimando a largada. Qual o problema desse cara? Eu apostaria 100 metros pulando feito saci que ele está ansiosíssimo ou trata-se de um iniciante. Mais ou menos o que acontece com os homens que sofrem de ejaculação precoce. 
Se pudéssemos reuni-los, não seria um pequeno evento de bairro. As inscrições seriam muito mais numerosas que as da São Silvestre. Acham que eu tô exagerando? Então toma esse tapa de realidade: segundo um amplo estudo do PROSEX, da USP, 25,8% dos brasileiros sofrem dessa disfunção sexual. Isso seria o mesmo que dizer 25 milhões de pessoas ou UM EM CADA QUATRO homens. 
Daí você me pergunta quanto tempo demora para a ejaculação masculina acontecer. Em média, 2 minutos após a penetração (isso se o cara ficar esse tempo direto lá, constante, botando-tirando). De onde eu tirei esse número? O biólogo Alfred Kinsey estudou o comportamento sexual de 18 mil casais para levantar algumas estatísticas e estabelecer o que seria o padrão de “normalidade”. Em 75% dos casos, os homens atingiam o orgasmo depois dos tais 120 segundos (dois minutos). A mulher, segundo o mesmo levantamento, levaria entre 10 e 20 minutos.
Ou seja, o cidadão que ejacula em menos de um minuto e meio de penetração ou antes mesmo que ela aconteça (nas carícias, por exemplo), PODE ter ejaculação precoce. Hoje há um consenso entre especialistas da área de que 1. se gozou em menos tempo, mas QUIS gozar, sem problemas; 2. se gozou depois de mais de dois minutos, mas NÃO QUIS gozar/ NÃO CONSEGUIU controlar, pode ser problema. MAS, para caracterizar um “ejaculador precoce”, a gente precisa ainda levar algumas coisas em consideração: a) acontece com muita frequência nos últimos seis meses?; b) causa angústia e frustração para si e para a(o) parceira(o)?; c) não consegue satisfazer a(o) parceira(o) em pelo menos metade das transas?
A causa mais comum da ejaculação precoce é a ansiedade. Na adolescência, muitos garotos passam por um episódio mela-cueca antes mesmo de achar o buraco da vagina. Pela falta de experiência ou até por medo de que alguém apareça de repente (quem nunca deu uns amassos escondido?). A tendência é que ele vá ganhando confiança e aprenda a controlar essa resposta fisiológica do corpo. Na idade adulta, o que pesa bastante é o receio de ter um mau desempenho no sexo. Sim, a preocupação com o que a outra pessoa vai achar. Principalmente nos primeiros encontros, quando tudo é novidade e o tesão não se aguenta. 
Só que a ejaculação precoce também rola nos relacionamentos longos. Você pode ter sido infalível por um bom tempo e, do nada, sofrer com a disfunção. Seja por dificuldades conjugais, por estresse ou por outros fatores psicológicos. A maioria dos ejaculadores precoces superam a questão com ajuda de terapia mesmo. Agora, claro que algumas doenças e o uso de determinados medicamentos podem ser culpadas pela disfunção também - precisa se consultar com um urologista e fazer exames (tipo colesterol, diabetes etc) para descartar essas hipóteses. Pode ser que o médico receite até um antidepressivo para segurar a ansiedade como um todo. 
Vestir camisinha no sexo, além de usar cremes de lidocaína, reduzem um pouco a sensibilidade do pênis e talvez retardem a ejaculação. Mas é uma alternativa paliativa, não vai à raiz do problema. Três técnicas criadas e testadas pelos famosos pesquisadores William Masters e Virginia Johnson também funcionam para reeducar quem tem esse comportamento sexual. Se você é ou desconfia ser um ejacular precoce, aqui vão os exercícios:
1. Parada e compressão 
Enquanto você estiver se masturbando – com ou sem a(o) parceira(o) -, precisa perceber o momento em que a excitação está bem alta. Sabe o “tô chegando lá”? Então, deve interromper essa sensação prazerosa apertando o pênis na região logo abaixo da glande (cabeça). O exercício fará com que você aprenda a observar e controlar as sensações genitais.
2. Parada e reinício 
O princípio é o mesmo. Quando vocês estiverem começando as preliminares, avise antes de sentir que a coisa tá incontrolável. Daí vocês param TUDO. Não se toquem nem nada. Respire por 30 segundos, pense na tia feiosa, nas contas a pagar ou em qualquer outra imagem não-erótica. Passou? Beleza, podem retomar.
3. Exploração sensorial
A ideia é tirar a ansiedade e a pressa da penetração. Brinquem de explorar o corpo um do outro, excluindo qualquer contato com os genitais. Beijem-se e toquem em partes pouco exploradas, tipo costas e pernas e braços… É pra ficar gostosinho só, não terminar no ato propriamente dito.
Se você é parceira(o) de alguém com ejaculação precoce, tenha em mente que a sua frustração é também dele. Não se sinta ofendida(o), muito menos ofenda. Sei que é um assunto delicado, mas intimidade requer essa capacidade de dialogar sobre sexo. O tratamento só é eficaz se quem a gente ama se coloca de forma compreensiva e paciente. Caso você tenha tocado no assunto e seu namorado/marido não aceitar ajuda nem fizer nada para melhorar, talvez seja o caso de repensar a relação. Tudo bem ficar ao lado de alguém egoísta ou imaturo a ponto de varrer a poeira para baixo do tapete?
*Nathalia Ziemkiewicz, autora desta coluna, é jornalista pós-graduada em educação sexual e idealizadora do blog Pimentaria

Fonte:https://br.noticias.yahoo.com/ejacula%C3%A7%C3%A3o-precoce-como-saber-se-voc%C3%AA-tem-e-o-que-183814722.html

ejaculação precoce












EJACULAÇÃO PRECOCE-CAUSAS EMOCIONAIS

Não possuímos um conceito exato do que é a ejaculação precoce ou como ela se dá, pois diversos autores a definem e a classificam de formas diferentes. Assim, não é possível, por exemplo, estipular um tempo certo e considerá-lo como normal para que o homem chegue à ejaculação. Na prática clínica, consideramos como ejaculador precoce aquele homem que não consegue tolerar um nível alto de excitação sexual sem chegar imediatamente à ejaculação, dando a ele a sensação de que gostaria de ejacular mais tarde e não naquele momento.
Esse fato aparenta não possuir causa orgânica, com exceção de alguns problemas neurológicos, diabetes e outros, sendo na maioria dos casos considerada de fundo emocional, como, por exemplo, consequencia de uma insegurança pessoal. Essa parece ser a disfunção sexual masculina mais comum, assim como, a disfunção erétil, que também pode ocorrer em homens de diferentes idades. 
É comum o homem  iniciar a sua vida sexual carregado de ansiedade e insegurança, não só com o seu desempenho sexual, mas de um modo geral, pois a adolescência por si só já é uma fase de grandes modificações e transições na vida de todos nós. O interessante é que nós aprendemos as coisas na vida de maneira progressiva e passamos naturalmente por um período de aprendizado em tudo na vida, menos na questão sexual.
Desde pequenos aprendemos a engatinhar para depois andar e correr, a balbuciar sílabas para depois formarmos palavras e frases, a namorar para depois casar, a fazer um curso na faculdade para depois arranjar um estágio e posteriormente um emprego. No sexo isso não ocorre, pois desde a primeira relação sexual, principalmente o homem é cobrado e cobra de si próprio um excelente desempenho sexual. É raro alguém se permitir aprender com a prática das relações. O acerto é cobrado desde a primeira vez que a relação ocorre e isso desencadeia uma forte ansiedade de desempenho sexual fazendo com que alguma disfunção sexual tenha origem.
Os homens que se encontram na faixa etária entre os 40 e 50 anos, iniciaram sua vida sexual, na maioria das vezes, com as profissionais do sexo. Muitas vezes eram levados pelo pai, tio, irmão mais velho ou amigos numa situação mais propícia a provar seu desempenho sexual do que pelo prazer do ato em si. Muitas vezes eles apresentavam mais TENSÃO do que DESEJO, comprometendo, assim, a sua resposta sexual.
É imprescindível que o homem consiga perceber o crescimento da sua excitação sexual para que possa deixar sua ejaculação ocorrer no momento em que “ele deseja”. Quando a ansiedade e preocupação com o desempenho sexual ocorrem, ele não consegue se envolver no ato sexual e, conseqüentemente, não tem a percepção sensorial da sua excitação. E, desta forma, quando percebe, sua ejaculação já está ocorrendo, não sendo mais possível contê-la . Em seguida surge a frustração dele e de sua parceira, iniciando, assim um verdadeiro círculo vicioso. A cada relação surge a preocupação de controlar a ejaculação e, com isso, pela dificuldade de perceber sua excitação aumentando, a ejaculação ocorre cada vez mais precoce. Esse fato pode ocorrer, também, quando a masturbação é feita, por vezes, de forma apressada pelo receio de ser flagrado, como normalmente acontece na adolescência.


TRATAMENTO

Depois de realizada uma avaliação, é proposto um trabalho com o objetivo de combater a ansiedade sexual e geral, melhorar a assertividade, a afetividade, a auto-estima e a autoconfiança, estruturando melhor a personalidade do indivíduo, para que ele possa atuar na vida de forma mais segura.
Por meio das técnicas utilizadas na Terapia Sexual, o homem aprende a entrar em contato com sua excitação percebendo-a de forma gradativa para que o controle ejaculatório seja possível quando o mesmo estiver sozinho na masturbação e quando estiver acompanhado de sua parceira  numa relação sexual.
No decorrer do tratamento, o paciente vai percebendo o desenvolvimento e o avanço na sua capacidade de controlar a sua ejaculação, tornando bem visível a melhora das suas relações sexuais e do seu relacionamento conjugal, consequentes da diminuição da sua ansiedade frente ao ato sexual. Isso torna o trabalho específico, dinâmico e, consequentemente, mais breve. Obviamente diversos fatores emocionais, psicológicos e conjugais relacionados à queixa também deverão ser trabalhados.
É imprescindível a análise de um profissional para um tratamento eficiente. 

Fonte:http://www.sexologawalkiriafernandes.com/tratamento-ejaculacao-precoce.html

EJACULAÇÃO PRECOCE
A Ejaculação Precoce ou Prematura (EP) é um dos problemas sexuais mais freqüentes nos homens e nos casais, sendo responsável por 40% das queixas encontradas em consultório de terapeutas sexuais. Acontece que a EP é um lugar comum na juventude, em encontros com parceiros novos ou após algum tempo de abstinência. Quando se estende pela maturidade e se torna presente em mais da metade dos encontros sexuais, torna-se, aí sim, um problema crônico e um Transtorno Sexual.
O que é uma ejaculação normal?
Do ponto de vista do funcionamento físico, a ejaculação se faz em dois estágios. No primeiro há a expulsão efetiva do líquido seminal (sêmen) dos órgãos acessórios de reprodução - próstata, vesícula seminal e canal ejaculatório - para a uretra. No segundo estágio, há a progressão desse líquido por toda a extensão da uretra até o meato uretral, que é o orifício na cabeça do pênis por onde sai também a urina. Acompanha-se desse processo fisiológico uma sensação subjetiva de profundo prazer conhecida como orgasmo.
Como saber se tenho ejaculação precoce?
Não existe um tempo específico antes de ejacular para definir esse problema sexual. A definição está na percepção, tanto sua quanto de sua parceira, de que a ejaculação foi mais rápida do que o esperado, de que não houve controle da ejaculação. As vezes o pênis nem chega a enrijecer, somente o movimento de aproximação e o toque do lençol já termina o que podia ser muito bom e prazeroso. Por vezes, o homem mantém a ereção por alguns minutos, começa a penetrar, mas logo ejacula, ficando insatisfeito e deixando a parceira "na mão". Sentimentos de culpa e ansiedade se tornam uma constante. Dificuldades maiores podem vir em seqüência, como a disfunção erétil (impotência) e a perda de intimidade no casal.
Por que ocorre a EP?
Os adeptos de Darwin (evolucionista inglês que propôs a teoria da seleção natural - 1859) explicam que a EP seria uma forma antiga de defesa contra predadores.
Imaginem os primórdios da humanidade, onde havia centenas de perigos, sendo o "animal-ser-humano" muito frágil e pequeno frente aos riscos de seu meio ambiente!
Aqueles indivíduos que demorassem muito para ejacular nas suas parceiras estariam muito mais predispostos a deixar seu flanco aberto às agressões de inimigos e animais selvagens.
O ejaculador precoce tinha mais vantagens em terminar logo a inseminação e fugir, deixando também a "fêmea" escapar, para poder inseminar o maior número delas em menor tempo.
Desta forma estaria aumentando a probabilidade de propagação de seus genes.
Outras razões levantadas como causas da EP seriam: 
 
aumento anormal de sensibilidade da glande peniana,
ansiedade frente ao desempenho sexual,
inexperiência sexual,
primeira experiência com parceira que tenha estimulado um coito rápido e
culpa ou sentimentos negativos em relaçao à parceira.
Raramente há um problema médico que explique a EP, como a prostatite aguda ou a esclerose múltipla. Na verdade, não existe uma única causa comprovada cientificamente de EP.
E tem cura?
Existe tratamento, tanto medicamentoso quanto psicoterápico. A primeira linha de tratamento é a reorientação e a reeducação do homem ou do casal quanto à função sexual normal. Clareiam-se as situações em que se considera como "normal" o tempo de ejaculação mais curto ou insatisfatório (comum em jovens, com novos parceiros, ou após longa abstinência). Quando a EP se torna persistente, ou seja, aparece em mais da metade dos encontros sexuais, um tratamento mais específico se faz necessário.
A segunda linha terapêutica é o chamado tratamento cognitivo-comportamental. Constitui-se em uma série de exercícios e tarefas para serem realizadas em casa para controle do tempo de ejaculação. Seguem-se alguns exemplos meramente ilustrativos: 
 
Técnica de distração
Durante o ato sexual, o homem é orientado a fixar o pensamento em alguma situação que o desligue de sexo, como em morte de alguém, ou em alguma mulher que não o agrada ou em contas bancárias. Assim que perceba que a ereção está se desfazendo, volta a se fixar na parceira. Deve usar essa distração, algumas vezes, para poder prolongar o tempo de penetração antes da ejaculação.
Técnica de compressão
O homem deve comprimir a base da glande (cabeça do pênis) por 4 a 5 segundos imediatamente após a primeira sensação de maior excitação. Com esse procedimento vai dificultar a entrada de sangue no pênis e retardar um pouco a ejaculação.
Técnica stop-start
Consiste em orientar o homem a ficar na posição superior à parceira para poder ter controle do movimento sexual. Deve iniciar a penetração e parar completamente os movimentos próximo ao momento de maior excitação. Pode usar a técnica de distração concomitantemente.
O objetivo destas tarefas é fazer o homem tomar consciência do momento que antecede o primeiro estagio de ejaculação, podendo voluntariamente controlar quando deseja ejacular, evitando frustração a ele e à parceira.
Pode-se combinar uma terceira linha de tratamento a esses exercícios: as medicações. Existe uma ampla gama de medicações que tem como efeito colateral o retardo do tempo de ejaculação. Tais drogas devem ser ministradas somente mediante prescrição médica criteriosa, pois possuem vários outros efeitos no organismo. Alguns deles, por exemplo, os antidepressivos tricíclicos são contra-indicados a pessoas com problemas de ritmo cardíaco. Algumas medicações tópicas (pomadas) à base de ervas ou anestésicos não foram comprovadas cientificamente como eficazes para o tratamento da EP.
De qualquer forma, esta disfunção sexual tem bom prognóstico, ou seja, apresenta bons índices de cura para a grande maioria dos indivíduos que procura orientação especializada. Geralmente, seis a dez sessões são suficientes para a melhora da vida sexual do homem e do casal. 

Fonte:https://www.abcdasaude.com.br/sexologia/ejaculacao-precoce

Tratamento para Ejaculação Precoce
Definição e Prevalência
» Introdução
A ejaculação é um conjunto de fenômenos neuromusculares que permite a progressão do sêmen e sua expulsão pelo meato uretral externo na fase final da resposta sexual masculina. A disfunção ejaculatória ou do orgasmo é uma das disfunções sexuais mais comuns no sexo masculino e inclui: ejaculação rápida ou precoce, ejaculação retardada, ausência de ejaculação (anejaculação) e ejaculação retrógrada. O ciclo da resposta sexual é dividido em quatro fases: desejo, excitação, orgasmo e resolução ou ejaculação. As disfunções sexuais ocorrem quando há interrupções em uma destas fases.
Os avanços no conhecimento e tratamento da disfunção erétil (DE) aumentaram o interesse de pacientes e médicos em outros distúrbios sexuais, mais precisamente as disfunções ejaculatórias. A maior preocupação no homem jovem é a sua fertilidade, mas distúrbios da ejaculação podem trazer muita ansiedade e angústia para indivíduos de várias faixas etárias. Em uma pesquisa recente compreendendo mais de 12 mil homens, idade variando de 50 a 80 anos, 46 % declarou ter algum problema ejaculatório e 59% estavam incomodados com ele.3 Ejaculação precoce foi o mais comum com índices de 30 a 40%. Alguns trabalhos citam que cerca de 75% de homens sofrerão de EP em algum ponto de suas vidas. Carmita publicou dados sobre comportamento sexual do brasileiro e concluiu que 26% dos homens cuja faixa etária variou de 18 a 70 anos queixavam de ejaculação precoce ou rápida.5 O atraso em ejacular ou ejaculação retardada aflige cerca de 4% de homens sexualmente ativos. Ejaculação retrógrada ocorre em cerca de 80% de homens que se submeteram a ressecção endoscópica da próstata (RTU) e embora muitas destes pacientes estejam acima da sexta década de vida, alguns se queixam deste distúrbio com veemência.
» Terminologia
Ejaculação rápida ou precoce:
Ejaculação persistente ou recorrente com estimulação sexual mínima que ocorre antes ou logo depois da penetração e antes que a pessoa o deseje.

Ejaculação retardada, inibida ou atrasada:
Estimulação sexual anormal do pênis ereto é necessária para atingir ejaculação.

Anejaculação:
Ausência completa de ejaculado ou ejaculação retrógrada.

Anorgasmia:
A inabilidade de atingir o orgasmo, independente de ejacular ou não.

Aspermia:
ausência de contração do trato genital.

Ejaculação retrógrada:
Ausência total de ejaculação anterógrada porque o sêmen é direcionado para dentro da bexiga.

Hemospermia:
presença de sangue no líquido ejaculado.

Anedonia:
Incapacidade de sentir prazer.
» Diagnóstico
O diagnóstico e a padronização de EP utilizando o número objetivo de incursões vaginais entre a penetração e a ejaculação já foi proposta por vários autores, mas esta definição é muito subjetiva e não é apoiada por dados normativos. Masters e Johnson propuseram definir EP de acordo com o orgasmo da parceira: caso ela não atingisse o clímax em 50% ou mais das relações, o homem seria considerado como tendo EP. Claramente caiu em desuso principalmente pelo fato de hoje sabermos que muitas mulheres nunca conseguem atingir a satisfação sexual plena.5 A operacionalização da EP utilizando o tempo definido entre o início da penetração vaginal e ejaculação, conhecido como intervalo de latência ejaculatória intravaginal (ILEI) forma a base de muitos estudos clínicos atuais em EP. No entanto, existe uma considerável polêmica no que tange a qual deve ser o ILEI de corte. A maior parte dos trabalhos recentes define como sendo 2 minutos o nível de corte.
» Tratamento
Terapia psicológica
A terapia sexual é considerada a mais apropriada e tem como principais objetivos:
1) Fornecer informações básicas sobre sexualidade, reeducando tanto o paciente como a parceira;
2) reduzir os focos de ansiedade associados às interações afetivas ou relacionadas à atividade sexual, usando técnicas comportamentais em que a prescrição de tarefas tem como objetivo a dessensibilização (redução da ansiedade) e técnicas de retreinamento do controle ejaculatório; técnica de Semans (“stop-start”), penetração sem movimento para o homem habituar-se a estar dentro da mulher e com a redução da ansiedade ter chances de prolongar a ejaculação. Tal técnica propicia a quebra do reflexo condicionado penetração ejaculação;
3) propor mudanças no comportamento sexual individual e/ou do casal, estimulando a mais ampla comunicação e melhoria na qualidade de vida.1 A duração da terapia é de quatro a seis semanas, com uma a três sessões por semana. A participação da parceira melhora substancialmente os resultados e é sempre motivada.
Tratamento farmacológico
Em 1973 foi reportado o uso de clomipramina no tratamento de EP pela primeira vez.26 A introdução do inibidor seletivo da recaptação da serotonina (ISRS) no tratamento da EP produziu uma revolução no manuseio desta entidade. A família dos ISRS compreende 5 compostos: citalopram, fluoxetina, fluvoxamine, paroxetina e sertralina. Todos estes tem um mecanismo de ação similar. O primeiro estudo duplo-cego e controlado utilizando o efeito da paroxetina na EP foi em 1994. Recentemente, outros compostos ISRS e a clomipramina foram estudados na sua ação de retardar a ejaculação. Existe alguma evidência de que fluvoxamina e citalopram exercem menos efeito para retardar a ejaculação de que paroxetina, sertralina e fluoxetina.
O regime terapêutico mais empregado é de administrar ISRS diariamente. Paroxetina (20-40mg), Clomipramina (10-50mg), Sertralina (50-100mg) e Fluoxetina (20-40mg) são os medicamentos e doses mais utilizadas atualmente. O efeito no atraso da ejaculação pode demorar de 5 a 10 dias após inicio da terapia e os efeitos colaterais são mais intensos na primeira semana, diminuindo após 2 a 3 semanas de uso. Os eventos adversos mais comumente relatados são: fadiga, sonolência, náusea, diarréia. Diminuição da libido ou disfunção da ereção é reportado raramente.
Um novo medicamento está sendo estudado para ser usado na demanda, a dapoxetina. Trata-se também de um ISRS cujos resultados mostrados em poucos estudos até este momento tem sido satisfatórios. Dapoxetina pode representar o primeiro de uma categoria nova de inibidores seletivos da recaptação da serotonina. Embora a dapoxetina tenha as similaridades farmacológicas a outros ISRS, sua eficácia sugere uma modalidade diferente da ação. Apresenta um rápido inicio de ação com pico de concentração plasmática máxima em 1 hora e meia vida de 1,4 horas. O fabricante sugere administrar 1 a 3 horas antes da relação sexual. Além do mais, este é o primeiro medicamento com indicação exclusiva para EP.
Com respeito à avaliação do tratamento a maioria dos estudos publicados é pobre no desenho e metodologia empregados. Uma revisão sistemática realizada sobre todos os tratamentos medicamentosos para EP em 2003 demonstrou que pesquisas realizadas em um padrão simples cego e abertas foram inferiores quando comparados com estudos duplo cegos, controlados com placebo e cujo acesso ao retardo na ejaculação foi medido por um cronômetro em vez de questionários subjetivos.
Tratamento tópico
O uso de creme, gel ou spray com base em lidocaína, um conhecido anestésico local, para o tratamento de EP já foi bem estudado e seu papel já está bem estabelecido. A eficácia para retardar a ejaculação é modesta podendo apresentar efeitos colaterais como: redução da sensibilidade da glande, absorção vaginal e possível anestesia de mucosa vaginal e anorgasmia feminina. Outro produto anestésico em estudo para uso local em EP é “SS Cream”, uma combinação de 9 ervas asiáticas que hipoteticamente diminuem a hiperexcitabilidade peniana.
Inibidores de fosfodiesterase tipo 5
O uso de inibidores de fosfodiesterase tipo 5 (PDE5) ou associados a ISRS para o tratamento de EP já foi empregado para retardar a ejaculação. Aumento médio da ILEI depois de 3 e 6 meses de tratamento foi maior no grupo que usou paroxetina mais sildenafila versus apenas paroxetina, embora a presença de efeitos adversos como cefaléia e rubor facial tenha sido mais significativo neste grupo. De qualquer maneira, é consenso de que esta classe de medicamentos não deve ser a primeira escolha para tratar EP, mas que poderá ser muito benéfica a sua utilização quando o homem sofrer de DE.
» Referências bibliográficas:
1) Wroclawski ER e Torres LO. II Consenso Brasileiro de Disfunção Erétil. São Paulo: BG Cultural, 2002.
2) Kaplan H. The evaluation of sexual disorders: The urologic evaluation of ejaculatory disorders. New York: Brunner / Mazel, 1983.
3) Rosen R, Altwein J, Boyle P et al. Lower urinary tract symptoms and male sexual dysfunction: the multinational survey of the aging male. Eur Urol 2003; 44: 637-49.
4) Wang W, Kumar P, Minhas S e Ralph D. Proposals of findings for a new approach about how to define and diagnose premature ejaculation.
Eur Urol 2005; 48(3): 418-23.
5) Abdo C. Estudo da Vida Sexual do Brasileiro, São Paulo, Editora Bregantini, Pág 132-3, 2004.
6) Jannini EA, Simonelli C e Lenzi A. Sexological approach to ejaculatory dysfunction. Int J Androl 2002; 25: 317-23.
7) Dunsmuir WD, Emberton M e Neal DE. There is a significant sexual dissatisfaction following TURP. Br J Urol 1996; 77: 161A.
8) McMahon CG, Abdo C, Incrocci L, Perelman M, Rowland D, Waldinger M e Xin ZC. Disorders of orgasm and ejaculation in men. J Sex Med 2004; 1(1): 58-65.
9) Motofei IG e Rowland DL. Neurophysiology of the ejaculatory process: developing perspectives. BJU Int 2005; 96(9): 1333-8.
10) Pehek EA, Thompson JT e Hull EM. The effects of intracranial administration of the dopamine agonist apomorphine on penile reflexes and seminal emission in the rat. Brain Res 1989; 500: 325-32.
11) Lorrain DS, Matuszewich L, Friedman RD e Hull EM. Extracellular serotonin in the lateral hypothalamic area is increased during the postejaculatory interval and impairs copulation in male rats. J neurosci 1997; 17: 9361-6.
12) Althof SE. Prevalence, characteristics and implications of premature ejaculation / rapid ejaculation. J Urol 2006; 175: 842-848.
13) 13) Sotomayor M. The burden of premature ejaculation: the patients perspective. J Sex Med 2005; 2 Suppl 2: 110-14.
14) Colpi GM, Fanciullacci F, Beretta G et al. Evoked sacral potentials in subjects with true premature ejaculation. Andrologia 1986; 18: 583-87.
15) Fanciullacci F, Copi GM, Beretta G et al. Cortical evoked potentials in subjects with true premature ejaculation. Anrdologia 1988; 20: 326-29.
16) Kaplan HS, Kohl RN, Pomeroy WB et al. Group treatment of premature ejaculation. Arch Sex Behav 1974; 3: 443-8.
17) Masters W e Johnson V. Human Sexual Inadequacy. Boston: Little Brown; 1970.
18) Waldinger M, Hengeveld M, Zwinderman A, et al. An empirical operationalization of DSM-IV diagnostic criteria for early ejaculation. Int J Psychiatry Clin Pract 1998; 2: 287-90.
19) Strassberg DS, Mahoney JM, Schaugaard M e Hale VE. The role of anxiety in premature ejaculation: a psychophysiological model. Arch Sex Behav 1990; 19: 251-7.
20) Waldinger MD. The neurobiological approach to premature ejaculation. J Urol 2002; 168: 2359-67.
21) Semans JH. Premature ejaculation: a new approach. Southern Med J 1956; 49: 353-7.
22) Zhong CX, Woo SC, Young DC et al. Penile sensitivity in patients with primary premature ejaculation.
J Urol 1996; 156: 979-81.
23) Omu AE, Al-Baader AA, Dashti H e Oriowo MA.
Magnesium in human semen: possible role in premature ejaculation. Arch Androl 2001; 46: 59-66.
24) Carani C, Zini D, Cavicchioli C, Grandi M, Della Casa L e Marrama P. Metabolic pathologies and sexual behaviours. Sex Progr 1984; 2: 83-84.
25) Screponi E, Carosa E, Di Stasi E, Pepe M, Carruba G e Jannini EA. Prevalence of chronic prostatitis in men with premature ejaculation. Urology 2001; 58: 198-202.
26) Eaton H. Clomipramine in the treatment of early ejaculation. J Int Med Res 1973; 1: 432-35.
27) Waldinger M, Hengeveld M, Zwinderman A. Paroxetine treatment of early ejaculation: a double-blind, randomized, placebo-controlled study. Am J Psychiatry 1994; 151: 1377-81.
28) Giuliano F, Clement P. Serotonin and Premature Ejaculation: From Physiology to Patient Management. Eur Urol. 2006; 50: 454-66.
29) Sole K. Citalopram is effective for the treatment of premature ejaculation. Nat Clin Pract Urol. 2006; 3(6):292-95.
30) Arafa M, Shamloul R. Efficacy of sertraline hydrochloride in treatment of premature ejaculation: a placebo-controlled study using a validated questionnaire. Int J Impot Res. 2006 Mar 23; [Epub ahead of print]
31) Abdollahian E, Javanbakht A, Javidi K, Samari AA, Shakiba M, Sargolzaee MR. Study of the efficacy of fluoxetine and clomipramine in the treatment of premature ejaculation after opioid detoxification. Am J Addict 2006; 15(1):100-4.
32) Safarinejad MR, Hosseini SY. Safety and efficacy of citalopram in the treatment of premature ejaculation: a double-blind placebo-controlled, fixed dose, randomized study. Int J Impot Res 2006; 18(2):164-9.
33) Richardson D, Green J, Ritcheson A, Goldmeier D, Harris JR. A review of controlled trials in the pharmacological treatment of premature ejaculation. Int J STD AIDS 2005; 16(10):651-8. 34) Kilic S, Ergin H, Baydinc YC. Venlafaxine extended release for the treatment of patients with premature ejaculation: a pilot, single-blind, placebo-controlled, fixed-dose crossover study on short-term administration of an antidepressant drug. Int J Androl 2005; 28(1):47-52.
35) Waldinger MD, Zwinderman AH, Olivier B. On-demand treatment of premature ejaculation with clomipramine and paroxetine: a randomized, double-blind fixed-dose study with stopwatch assessment. Eur Urol. 2004; 46(4):510-5;
36) Novaretti JP, Pompeo AC e Arap S. Selective serotonin re-uptake inhibitor in the treatment of premature ejaculation. Braz J Urol 2002; 28: 116-22.
37) Montague DK, Jarow J, Broderick GA, Dmochowski RR, Heaton JP, Lue TF, Nehra A, Sharlip ID; AUA Erectile Dysfunction Guideline Update Panel. AUA guideline on the pharmacologic management of premature ejaculation. J Urol 2004;172(1):290-4.
38) Modi NB, Dresser MJ, Simon M, Lin D, Desai D, Gupta S. Single- and multiple-dose pharmacokinetics of dapoxetine hydrochloride, a novel agent for the treatment of premature ejaculation. J Clin Pharmacol 2006;46(3):301-9.
39) Dresser MJ, Desai D, Gidwani S, Seftel AD, Modi NB. Dapoxetine, a novel treatment for premature ejaculation, does not have pharmacokinetic interactions with hosphodiesterase-5 inhibitors. Int J Impot Res 2006;18(1):104-10.
40) Pryor JL, Althof SE, Steidle C, Rosen RC, Hellstrom WJ, Shabsigh R, Miloslavsky M, Kell S; Dapoxetine Study Group. Efficacy and tolerability of dapoxetine in treatment of premature ejaculation: an integrated analysis of two double-blind, randomised controlled trials. Lancet. 2006;368(9539):929-37
41) Waldinger M. Towards evidenced based drug treatment research on early ejaculation: a critical evaluation of methodology. Int J Impot Res 2003;15(5):309-13.
42) Berkovitch M, Keresteci AG, Koren G. Efficacy of prilocaine-lidocaine cream in the treatment of early ejaculation. J Urol 1995; 154: 1360-65.
43) Waldinger MD. Emerging drugs for premature ejaculation. Expert Opin Emerg Drugs 2006;11(1):99-109.
44) Atikeler MK, Gecit I, Senol FA. Optimum usage of prilocaine-lidocaine cream in early ejaculation. Andrologia 2002; 34: 356-59.
45) Atan A, Basar MM, Tuncel A, Ferhat M, Agras K, Tekdogan U. Comparison of efficacy of sildenafil-only, sildenafil plus topical EMLA cream, and topical EMLA-cream-only in treatment of premature ejaculation. Urology 2006;67(2):388-91.
46) Busato W, Galindo CC. Topical anaesthetic use for treating premature ejaculation: a double-blind, randomized, placebo-controlled study. BJU Int 2004;93(7):1018-21.
47) Xin ZC, Choi YD, Lee SH e Choi HK. Efficacy of a topical agent SS-cream in the treatment of premature ejaculation: preliminary clinical studies. Yonsei Med J 1997; 38: 91-8.
48) Chen J, Mabjeesh N, Matzkin H e Greenstein A. Efficacy of sildenafil as adjuvant therapy to selective serotonin reuptake inhibitor in alleviating premature ejaculation.
Urology 2003; 61: 197-02.
49) Salonia A, Maga T, Colombo R, Scattoni V, Briganti A, Cestari A et al.
A prospective study comparing paroxetine alone versus paroxetine plus sildenafil in patients with premature ejaculation. J Urol 2002; 168: 2486-92.
50) McMahon CG, McMahon CN, Leow LJ e Winestock CG. Efficacy of type-5 phosphodiesterase inhibitors in the drug treatment of premature ejaculation: a systematic review. BJU Int 2006; 98: 259-72.
51) American Psychiatry Association 1994. Diagnostic and statistical manual of mental disorders. DSM-IV. 4th edition. Washington DC, USA.
52) Waldinger MD, Schweitzer DH. Retarded ejaculation in men: an overview of psychological and neurobiological insights. World J Urol 2005; 23: 76-81.
53) Seidman S. Ejaculatory dysfunction and depression: pharmacological and psychobiological interactions. Int J Impot Res. 2006 Sep;18 Suppl 1:33-8.
54) Ralph DJ e Wylie KR. Ejaculatory disorders and sexual function. BJU Int 2005; 95: 1181-6.
55) Muller A e Mulhall JP. Sexual dysfunction in the patient with prostatitis. Curr Urol Rep 2006; 7: 307-12.
56) Giuliano F. Impact of medical treatments for benign prostatic hyperplasia on sexual function. BJU Int 2006; 97 Suppl 2: 34-8.
57) Han M, Brannigan RE, Antenor JA, Roehl KA e Catalona WJ. Association of haemospermia with prostate cancer. J Urol 2005; 172: 2189-92.
Fonte:http://www.urologia-sp.com.br/ejaculacao_precoce.asp


Imagem




Veja 7 dicas para prevenir a ejaculação precoce


O assunto ainda é tabu. Controlar a ejaculação, a fim de prolongar o tempo da relação é desejo da maioria dos homens, mesmo dos que não sofrem de nenhuma disfunção que prejudique a performance. O site Ask Men elaborou dicas para ajudar na tarefa, que vão desde relaxar até reaprender coisas que parecem óbvias.



1) A tensão muscular está associada à ejaculação precoce. Portanto, investir em atividades que aliviem esse quadro é recomendado, como ioga, alongamento, diminuir a ansiedade e praticar exercícios de maneira geral.
2) Permita que a companheira faça uma boa massagem em todo o corpo com os toques no estômago, coxas e outras áreas e preste atenção às sensações - de ansiedade ao alívio. Lidar com o corpo exposto, vulnerável, ajuda a reduzir a ansiedade.
3) Técnicas geralmente indicadas para as mulheres são importantes para homens também. Pratique exercícios de Kegel, contraindo o músculo pubococígeo.

4) Masturbação ajuda a controlar a ejaculação, mas é preciso algum treino. Segundo o site, deve ser praticada até o limiar do orgasmo e então o homem deve parar a estimulação. Isso ensina corpo e mente a prolongarem a fase de excitação, além de aumentar os níveis de autoconfiança.

5) Essa técnica deve ser usada também durante as relações, incluindo sexo oral.6) A posição sexual também influencia na velocidade da ejaculação. A tradicional papai-mamãe é uma delas, pois mantem o corpo tenso, principalmente os braços e acelera o processo. Prefira posturas que aliviem essa tensão, como mantendo a parceira por cima.

6) A posição sexual também influencia na velocidade da ejaculação. A tradicional papai-mamãe é uma delas, pois mantem o corpo tenso, principalmente os braços e acelera o processo. Prefira posturas que aliviem essa tensão, como mantendo a parceira por cima.

7) Não faça uso de cremes que prometem reduzir a sensibilidade durante as relações, pois não resolvem o problema e atrapalham o prazer.

Fonte:http://vidaeestilo.terra.com.br/homem/saude-sexual/veja-7-dicas-para-prevenir-a-ejaculacao-precoce,64c880c10924a310VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

15 SINAIS QUE ELE QUER SÓ SEXO

GUIA ILUSTRADO DE SEXO ORAL EM MULHERES E HOMENS

O QUE É A EJACULAÇÃO FEMININA ?