CIRURGIA PARA AUMENTO DE PÊNIS É POSSÍVEL ? RESOLVA TODAS SUAS DÚVIDAS A RESPEITO...


Cirurgia de aumento peniano

O tamanho do pênis e a cirurgia de aumento peniano

A auto-imagem sexual do homem sempre esteve relacionada com a dimensão do pênis e com sua capacidade erétil. Tanto as malformações como a hipoplasia do pênis afetam a auto-imagem corporal e influenciam no comportamento e na auto-estima dos portadores. O trauma psicológico do pênis pequeno é induzido ainda na infância por comparação entre crianças da mesma idade e pela ansiedade dos pais em relação ao aspecto anatômico dos genitais de seus filhos.
Na era atual, de maior liberação sexual, o conhecimento por parte da mulher da morfologia normal, do aspecto e tamanho dos genitais masculinos, aumentou de forma extraordinária o temor do homem em não ser considerado normal por sua parceira. A hipoplasia do pênis como sinal negativo externo de identidade sexual cria um impacto psicológico, talvez só comparável ao da hipoplasia mamária na mulher. Dessa forma, não é de se estranhar que a procura por técnicas de aumento peniano venha sendo incrementada progressivamente nos últimos anos.
Avaliação dos Pacientes
O que se observa na prática diária dos consultórios médicos é que a grande maioria dos pacientes com queixa de pênis pequeno apresenta-se com o órgão dentro das medidas tidas como normais para o homem adulto. Alguns são indivíduos obesos, com o pênis parcialmente coberto pela gordura pré-púbica, ou pessoas altas, com pênis proporcionalmente pequenos.
Trabalhos da literatura demonstraram que o comprimento médio do pênis do homem adulto é de 8,5 a 9,4 cm em flacidez, e de 12,9 a 14,1 cm em ereção, dependendo das técnicas antropométricas utilizadas.
O micropênis adulto é caracterizado por alguns autores quando apresenta comprimento menor que 4 cm em flacidez ou 7,5 cm em ereção. A esses pacientes poderia ser proposto algum tipo de correção cirúrgica.
Indicações
A cirurgia para aumento peniano é indicada para tratamento de certas condições urológicas, tais como:
- epispádias e hipospádias,
- encurtamentos provocados pela doença de Peyronie,
- defeitos traumáticos,
- amputações parciais,
- retratação peniana em pacientes lesados medulares.
Técnica Cirúrgica
A secção do ligamento suspensor do pênis nas proximidades de sua inserção no púbis até o nível da aponeurose perineal média e sua fixação junto à face anterior do púbis permite o avanço distal da haste peniana. Alguns autores recomendam um enxerto de material sintético entre a túnica albugínea e o púbis para evitar uma possível reinserção alta do ligamento por aderência.
Outros autores preconizam técnicas peniana no pós-operatório para prevenir a retração. A lipoaspiração da gordura pré-púbica exuberante permitiria melhor exposição da genitália. A incisão operatória e o fechamento da ferida cirúrgica são realizados por meio de técnicas cutâneas de rotação de retalho, plástica V-Y ou zetaplastia a nível pubipeniano.
Para aumento da circunferência do pênis empregou-se inicialmente a lipoescultura, e, recentemente, enxertos pediculados de gordura suprapúbica. Os enxertos são injetados ou colocados entre o dartos e a fásica de Buck, com fixação distal e lateralmente ao longo da uretra. Nas reconstruções penianas são utilizadas técnicas de manipulação da albugínea e colocação de próteses intrecavernosa.
Complicações
As complicações mais comuns são decorrentes do surgimento de cicatrizes retráveis e de deformidades que acabam por diminuir a dimensão do órgão, resultando em uma aparência cosmética final bastante pobre. Outras complicações frequentes são a escrotalização do pênis, alteração da angulação quando em ereção, nódulos de gordura residuais irregulares, alterações de sensibilidade por lesão dos nervos dorsais, infecção do leito operatório, ascesso suprapúbico e fístulas.
Conclusões
A cirurgia de aumento peniano é indicada nos casos em que pequenos ganhos no comprimento do órgão podem resultar em melhor capacidade funcional para o paciente, como nos casos de micropênis, epispádias, casos severos de hipospádias, retrações importantes consequentes à doença de Peyronie, amputações parciais por neoplasia e outros defeitos traumáticos adquiridos e retrações penianas em pacientes lesados medulares com o intuito de facilitar a colocação de próteses e coletores urinários penianos.
A proposta de aumento peniano como procedimento cosmético no pênis normal deve ser encarada como uma técnica experimental, realizada em pacientes selecionados e em centros de pesquisa credenciados de acordo com as normas de pesquisa envolvendo seres humanos estabelecidas pela resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde e pela resolução 1478/97 do Conselho Federal de Medicina.
Fonte:http://www.urologia-sp.com.br/tamanho.asp
cirurgia de aumento do pênis,«FETICHE» OU NECESSIDADE
Muitos homens vivem insatisfeitos com o tamanho do seu pénis, pelo que as intervenções ao nível do aumento peniano são muito procuradas. Estima-se que 0,6 por cento dos homens sofram de síndrome do micropénis, ou seja, tenham pénis com dimensões inferiores à da média, ou seja, entre os 12 e os 15 centímetros. O síndrome do micropénis pode ser provocado pela obesidade, nomeadamente durante a adolescência. Estes indivíduos necessitam de intervenções de aumento do pénis.
TÉCNICAS DE AUMENTO DO PÉNIS
Há várias técnicas, anunciadas diariamente, que prometem milagres no aumento do órgão sexual masculino. Desde próteses a pílulas milagrosas, passando por bombas e outros artefatos mais ou menos bizarros, tudo é utilizado para prometer um aumento peniano em tempo recorde.
No entanto, a verdade é que nenhuma destas técnicas ou comprimidos realmente funciona, sendo a maior parte embustes de maior ou menor valor. As estratégias mais eficazes para aumento do pénis são de carácter cirúrgico, no entanto, não estão totalmente isentas de riscos.
ENTRE AS VÁRIAS INTERVENÇÕES ADOTADAS, DESTACAM-SE:
1. Cirurgia de ligamento suspensor do pénis: trata-se de um procedimento cirúrgico muito simples, que consiste na intervenção ao nível deste ligamento, e que permite aumentar o pénis, enquanto flácido, entre 0,5 e 1,3 centímetros.
2. Lipoaspiração da gordura pré-pubiana: estas intervenções são utilizadas quando a gordura cobre parcialmente a base do pénis e o problema é agravado pelo volume da gordura abdominal.
3. Hidroceles volumosas: o tratamento cirúrgico de hidroceles reduz o volume escrotal e melhora a exposição do comprimento peniano.
4. Enxertos e retalhos: consistem na transferência cirúrgicas de pele de outras regiões do corpo para o pénis. Normalmente, são indicadas em amputações traumáticas e servem para aumentar o pénis, quer em comprimento, quer em espessura.
5. Injecção de biomateriais: a injecção de PMMA, gordura, silicone e outras substâncias no pénis e escroto visa aumentar a circunferência do pénis.
6. Faloplastia: cirurgia de aumento do pénis, que ao nível do comprimento, quer ao nível do diâmetro.
Há várias hipóteses para o aumento do pénis, quer em comprimento, quer em diâmetro. Nenhuma está isenta de riscos, no entanto, as cirurgias são as únicas formas relativamente seguras do aumento do órgão sexual masculino, todas as outras são embustes mais ou menos desonestos.
Fonte:http://www.lmrcirurgiaplastica.pt/tratamentos/homem/intimo/aumento-do-penis-porque-e-para-que



Existe cirurgia para aumentar o pênis? Saiba a resposta


Existe algo com efeito comprovado para aumentar o tamanho do pênis? Algum remédio ou cirurgia? A pergunta é uma das mais frequentes na caixa de mensagens do médico e colunista do UOL Jairo Bouer.
  • Thinkstock
Em média, o pênis do homem brasileiro, em ereção, tem cerca de 13 centímetros. Mas muita gente tem um tamanho menor e se incomoda com isso, chegando até a evitar contato sexual, como relata o internauta que escreveu ao @saúde
"As cirurgias para aumento do pênis, de um modo geral, não são recomendadas, a não ser em casos muito extremos", responde Jairo, aconselhando o internauta a procurar um urologista. "Mas não há nenhuma medida miraculosa que faça o pênis crescer bastante da noite para o dia", alerta. Em paralelo, se o problema incomoda muito, uma terapia pode ajudar.
Outra pergunta enviada para o programa é de um jovem que tem dificuldade de ejacular durante a penetração e consegue ficar até duas horas com o pênis ereto. Jairo explica que algumas substâncias podem causar retardo na ejaculação, como antidepressivos, maconha e álcool. Se esse não for o caso, o mais provável é que o motivo seja psicológico. De qualquer forma, vale consultar o urologista e discutir o que é possível fazer.
A última pergunta é de uma internauta que tem cólicas muito fortes e menstruação abundante, e quer saber se os sintomas podem indicar endometriose. A doença causa a migração do endométrio, tecido que reveste o útero, para fora dele, o que provoca muita dor e sangramento abundante. "Mas essa não é a única situação que causa esses sintomas. Alterações hormonais e miomas também podem provocar", diz Jairo.
Ele enfatiza que é importante buscar ajuda do ginecologista, pois a menstruação dolorosa atrapalha demais a vida da mulher e, dependendo do diagnóstico, pode afetar a fertilidade.
http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2014/02/13/existe-algum-procedimento-para-aumentar-o-penis-jairo-bouer-responde.htm

Remédios, bombas, cirurgia... como (não) funcionam os milagres do aumento peniano

Uma busca na internet aponta diversas promessas tratamentos de aumento de pênis. Nenhum, porém, é reconhecido pela medicina. O que os médicos e a Sociedade Brasileira de Urologia indicam é que os pacientes com dúvidas sobre o tamanho do seu pênis devem procurar profissional qualificado, que avaliará a situação, podendo ser necessária uma opinião multidisciplinar com sexólogo ou psicólogo.
Mas muitos homens recorrem a medicamentos via oral. Mas se enganam e o pior: podem ter diversos tipos de complicações. “Estes remédios têm testosterona como uma das bases e pode dar efeitos secundários se utilizados por muito tempo, como problemas no fígado, atrofiamento testicular, parada de produção de espermatozoide etc.”, diz Geraldo Faria, urologista e presidente da Sociedade Latino-Americana de Medicina Sexual.
Os dispositivos que garantem aumento de pênis, como aparelhos à vácuo, aparelhos de tração mecânica, aparelhos de estimulação eletromagnética e pesos, também não funcionam. “Podem causar ferimentos graves. E imagine como deve ser desconfortável andar com um dispositivo amarrado ao pênis por um dia inteiro. Do ponto de vista prático, é impossível”, afirma Lopes.
As cirurgias também não são recomendadas, uma vez que não estão comprovadas cientificamente na medicina. “Temos tido resultados desastrosos”, conta Faria. “Já recebi casos graves, até de perda de pênis”, conta Araújo, que recebe vários garotos no consultório com a “SPP” (Síndrome do Pênis Pequeno).
“O assunto é muito sério e termos de ter cuidado com os pacientes, que sem dúvida precisam de tratamento, mas não do pênis. Do ponto de vista médico não há nenhuma técnica cirúrgica que permita o aumento do pênis, tanto em comprimento quanto em largura”, diz Faria.
Existem técnicas para fazer com que o pênis pareça maior, como retirar a gordura da área pubiana e outros procedimentos estéticos. Mas é preciso tomar muito cuidado com o que se aceita nos consultórios. “Não há milagre. Há pesquisas sendo realizadas no mundo inteiro para ver se há alguma solução, mas até agora nada”, afirma o presidente da Sociedade Latino-Americana de Medicina Sexual.

MÉTODOS QUE PROMETEM O AUMENTO PENIANO

Medicamentos via oral e injetáveisRemédios só funcionam na fase infantil. Se um uropediatra detectar que o menino tem micro-pênis, poderá fazer uso de medicamentos, e apenas entre 5 e 7 anos de idade. Na fase adulta, não há como reverter o quadro. Os pacientes que se sujeitam a tomar remédios podem ter complicações sérias de saúde
Cirurgias para aumentar o pênisAté hoje não há comprovação científica para cirurgia ou qualquer intervenção com objetivo de aumento peniano. Os resultados são duvidosos
Uso de aplicações de metacrilato ou gel russo (feito à base de ácido hialurônico)Tratamento perigoso e pode trazer resultados desastrosos, como cicatrizes e deformações no pênis. O homem pode ter dores locais, dificuldades nas relações sexuais e ardência. Há risco de gangrena e necrose na região, se for injetada no corpo cavernoso
ColágenoO uso de colágeno pode causar deformações
Extensores e bombas penianasVendidos pela internet e sex-shops, estes aparelhos submetem o pênis a tração contínua. Não há nenhum estudo que comprove o funcionamento. O homem que fizer uso destes dispositivos pode ter sérias complicações no pênis
Manuais de exercíciosNão há nenhum exercício ou uso de pesos no pênis que ajudem a aumentar o tamanho. Pelo contrário, quem faz uso pode se machucar seriamente
No Brasil, os procedimentos para aumentar o tamanho ou volume do pênis são experimentais. Mesmo assim, Fernando (nome fictício) ignorou a palavra de um médico e aceitou o que outro prometeu: 3 centímetros  a mais com uma operação.
Ele se submeteu a cirurgia do ligamento suspensor. Nesta operação, o cirurgião solta um ligamento que existe que une o pênis ao púbis. Essa estrutura, ao ser cortada, faz com que o genital ganhe poucos centímetros – mas em estado flácido. “Não deu um resultado satisfatório, já que depois de um tempo, foi reversível”, afirmou.
Depois disso, Fernando também teve de recorrer à terapia para aceitar o tamanho do pênis. Atualmente o advogado tem 28 anos, é casado e tem um filho. “Para chegar aqui foi um custo. A minha família é prova de que venci a luta contra meu próprio preconceito”, confessa.
Fernando acredita que tem o pênis pequeno, apesar de ser considerado normal para os médicos. “Quando ereto, tem 12 centímetros. Mas descobri que o que faz a diferença é minha performance e não o tamanho do meu pênis”, disse.
Fonte:http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2011/09/15/remedios-bombas-cirurgia-como-nao-funcionam-os-milagres-do-aumento-peniano.htm

"Não há nada que aumente o tamanho do pênis na fase adulta", diz urologista

A preocupação com o tamanho do pênis é muito comum entre os homens.  Nos consultórios de urologia, este problema perde apenas para dois outros assuntos também delicados: ejaculação precoce e disfunção erétil. E ao lado da grande preocupação há a vasta oferta de medicamentos, dispositivos, manuais de exercícios e até cirurgias para se tornar bem-dotados.
“Nada disso funciona na fase adulta”, diz Geraldo Faria, urologista e presidente da Sociedade Latino-Americana de Medicina Sexual, que destaca que é preciso ter cuidado com as promessas e milagres oferecidos. “Temos visto em nossos consultórios pacientes com graves sequelas resultantes de um grande apelo que promete de tudo”.
O discurso é reforçado pelo urologista e secretário geral da Sociedade Brasileira de Urologia, Eduardo Lopes: “Não há base científica nestes métodos”.  E mais: eles garantem que o tamanho do pênis não é importante. “A vagina tem de 8 a 10 centímetros de profundidade e é apenas no terço externo que a mulher tem sensibilidade aos estímulos”, conta Lopes. “Um pênis com 9 centímetros é suficiente para dar prazer a uma mulher”, afirma Carlos Araújo,  cirurgião geral e vascular, especializado na área de andrologia.  Vale lembrar que o tamanho médio do pênis do brasileiro é 14 centímetros.
A ansiedade de querer aumentar o pênis pode ocorrer desde a infância. Foi o que aconteceu com Leonardo (nome fictício). O estudante de engenharia civil de 19 anos sofre desde criança. “Quando era pequeno, com 7 anos, fui passar um final de semana com meus tios e primos na praia. Na hora de tomar banho, era alvo de piada. Todos falavam que meu pênis era muito pequeno. Desde então, fiquei com trauma de ficar nu na frente dos outros”, fala.
“Eu sempre me escondia para me trocar em vestiários da escola e academia. Na maioria das vezes, ia tomar banho em casa, com vergonha de alguém me ver sem roupa”. Esta mágoa foi se acumulando até a adolescência, quando o rapaz decidiu que deveria tomar providências.
Aos 16 anos, ele mediu: “meu pênis ereto tinha apenas 10 centímetros”. Resolveu que faria algo para mudar a situação.
Com amigos, conseguiu um manual de exercícios que prometia o aumento do pênis em até 3 cm. “Eu fazia os exercícios todos os dias por quase uma hora”. Foi assim durante vários meses, até que notou que estava se machucando. “Fui a um urologista que pediu para parar com os exercícios, pois já estava com uma fibrose. Tive acompanhamento psicológico e percebi que nada poderia ser feito. Meu problema estava na cabeça e não no pênis”, conta. 
“O pior é que em casos assim, o rapaz não tem para quem reclamar ou recorrer, pois tem vergonha. Existe uma indústria paralela que explora as pessoas”, afirma Lopes.  “O homem não pode ficar limitado ao tamanho. Se perguntarmos, a maioria deles vai responder que quer ter o pênis no joelho”, brinca o médico.
“Quando um paciente entra em meu consultório e pede uma solução para o ‘pênis pequeno’, eu digo que adoraria ter algo simples, confiável e seguro. Mas até agora a ciência não descobriu nada que mude isso. Não há nada a oferecer, só tratamento e aconselhamento psicológico”, fala Faria.
“É um trauma psicológico que pode começar na infância e que o homem carrega pela vida toda”, avalia. “É difícil convencer um homem que acha que tem o pênis pequeno que o tamanho é normal e que o problema está na parte psicológica. Muitos ficam mais preocupados até mais com a aparência do que com a sexualidade”.
Leonardo frequentou dois anos de terapia e acompanhamento médico para poder perder a vergonha e tirar a roupa para uma primeira relação sexual. “E minha namorada da época não reclamou”, confessa. Os médicos garantem que é preciso considerar as distorções do imaginário masculino, que se sentem inseguros com pênis pequenos. “Tem muitos que reclamam até do tamanho quando está flácido”, diz Lopes.
Assim como Leonardo, muitos garotos ficam traumatizados na infância quando os pais ou outras pessoas da família comparam seus pênis com os de outros garotos da mesma idade. “Isso deve ser evitado para não alimentarem o complexo”, explica Faria.
Fonte:http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2011/09/15/nao-ha-nada-que-aumente-o-tamanho-do-penis-na-fase-adulta-diz-urologista.htm

Menos de 1% dos homens que querem aumentar o pênis têm um problema real, estima SBU-SP

Em média, 73,9% dos homens têm pênis que medem entre 10 cm e 17 cm; de 18 cm a 23 cm são 3%
Em média, 73,9% dos homens têm pênis que medem entre 10 cm e 17 cm; de 18 cm a 23 cm são 3%

Não são raros os que se sentem inseguros quando o assunto é o tamanho do pênis. E apesar de ser uma parcela pequena da população que tem realmente um problema, muitos homens procuram auxílio profissional por acreditar que têm um pênis pequeno, mas frequentemente estão enganados, segundo o urologista e andrologista Paulo Egydio. De acordo com a diretoria da SBU-SP (Sociedade Brasileira de Urologia - Secção São Paulo), estima-se que menos de 1% dos homens que busca atendimento se queixando do tamanho do membro tenha de fato um problema.

TAMANHO DO PÊNIS

Micropênis – Quando não atinge 2,5 cm flácido ou 7,5 ereto
Pênis pequeno – Entre 8 e 10 cm de comprimento e circunferência
Pênis normal – Comprimento de 10 a 17 cm e circunferência de 10 a 12 cm
Pênis grande – Comprimento de 18 a 23 cm e circunferência de 12 a 15 cm
Macropênis – Acima de 23 cm e circunferência maior que 15 cm
*Segundo Carlos Cury, coordenador do Departamento de Estética Genital da Sociedade Brasileira de Urologia, essas são apenas estimativas, pois não há tamanhos ideais estabelecidos 

Segundo Egydio, é importante uma avaliação criteriosa antes da realização de qualquer procedimento. "Somente o médico poderá julgar a necessidade ou não de um tratamento específico", afirma. Leia mais sobre riscos e condições da cirurgia aqui.
Egydio diz que a maioria mede o pênis de forma incorreta e tira conclusões equivocadas. "Outros fatores que criam essa ideia distorcida são as propagandas apelativas de aparelhos, exercícios, remédios e substâncias que prometem o aumento peniano, e as revistas e filmes eróticos que associam o tamanho do pênis à virilidade masculina e à satisfação sexual".
Em 1999, foi apresentado no Congresso Brasileiro de Urologia um estudo com 246 homens entre 19 e 75 anos e a avaliação do tamanho do pênis do brasileiro em ereção foi, em média, 14 cm de comprimento e 11 cm de circunferência.
Como medir o pênis? O comprimento deve ser medido com o homem em pé e com o pênis ereto. A medida precisa ser realizada na parte de cima do pênis desde sua base (forçando a régua contra o osso púbico) até a ponta da glande.

Dez coisas que você precisa saber sobre o assunto:

1. Homens com tamanhos de pênis flácidos diferentes podem ter o mesmo tamanho de pênis quando eretos;
2. Homens de baixa estatura podem ter pênis maiores do que homens mais altos;

3. Pênis grande aguça a fantasia sexual, mas pode causar desconforto na parceira pela incapacidade anatômica de recebê-lo. A profundidade da maioria das vaginas varia de 8 cm a 12 cm, e a área mais sensível dela fica localizada aproximadamente nos primeiros 3 cm.

4. Em algumas situações, como temperatura fria, nervosismo e prática de atividades físicas, o pênis e os testículos são tracionados por um músculo e há a diminuição involuntária no comprimento do pênis flácido (que não deve ser confundido com seu tamanho real);

5. De acordo com a Resolução 1478/97, a cirurgia de alongamento peniano para correção de disfunção sexual é considerada um procedimento experimental pelo Conselho Federal de Medicina;

6. O índice de satisfação com as cirurgias de aumento peniano varia de 35% a 67%;

7. É impossível o tamanho do pênis aumentar, por exemplo, de 15 cm para 25 cm;

8. A cirurgia de aumento peniano pode ser recomendada em casos específicos de encurtamento do órgão sexual masculino;

9. Apenas 2% das mulheres afirmam que o pênis é a parte mais atrativa sexualmente em um homem;

10. A SBU condena procedimentos para aumento peniano por razões meramente estéticas. Se o caso envolve fatores psicológicos, há um acompanhamento multidisciplinar para avaliar o caso. Mesmo assim, cirurgias ainda são consideradas experimentais.

Fontes: Conselho Federal de Medicina, Carlos Cury (coordenador do Departamento de Estética Genital da Sociedade Brasileira de Urologia), Diretoria da Sociedade Brasileira de Urologia – Secção São Paulo, Paulo Egydio (urologista e andrologista), Anderson Zei Damasceno (médico cirurgião da Clínica Visia) e Oswaldo Martins Rodrigues Junior (psicoterapeuta e diretor do Instituto Paulista de Sexualidade).
Fonte:http://mulher.uol.com.br/comportamento/noticias/redacao/2012/10/17/menos-de-1-dos-homens-que-querem-aumentar-o-penis-tem-um-problema-real-estima-sbu.htm

Aparar os pelos pubianos é uma maneira simples de fazer o pênis parecer maior
Aparar os pelos pubianos é uma maneira simples de fazer o pênis parecer maior

Procedimentos para aumento do pênis podem 

ser perigosos; veja métodos

Motivo de orgulho ou complexo, o tamanho do pênis é um tema recorrente na vida de todos os homens. Enquanto uns se vangloriam de sua anatomia, outros estão insatisfeitos com o próprio corpo e parecem dispostos a tudo para mudar essa situação. Mas será que existe alguma solução segura e eficaz para aqueles que desejam ver seu membro crescer? Há controvérsias.
Segundo Carlos Cury, coordenador do Departamento de Estética Genital da SBU (Sociedade Brasileira de Urologia), não existe uma técnica-padrão para aumento do órgão sexual masculino e a cirurgia ainda é um procedimento considerado experimental. "Cirurgias com potencial de comprometimento funcional não são recomendadas. As técnicas cirúrgicas para alongamento peniano têm resultados controversos e estão restritas a casos selecionados após avaliação psicológica", diz o médico. Quando a motivação é meramente estética, portanto, a SBU condena qualquer intervenção.

Indicada apenas nos raros casos de micropênis (quando não atinge 2,5 cm flácido ou 7,5 cm ereto --veja tabela de medidas aqui), a operação consiste em seccionar o ligamento suspensor do membro até a porção inferior da sínfise pubiana (articulação que une os ramos direito e esquerdo do osso pubiano) e o aumento varia de 2 cm a 4 cm. De acordo com a diretoria da SBU-SP, o procedimento pode provocar a instabilidade do pênis em ereção, limitar a capacidade de penetração e, consequentemente, prejudicar a vida sexual do indivíduo (veja mais riscos abaixo).

POSIÇÕES AJUDAM A SUPERAR OBSTÁCULOS, COMO TAMANHO DO PÊNIS

  • Arte/UOL
    Infográfico: clique na imagem para aprender posições que te ajudam a superar obstáculos sexuais, como pênis pequeno ou grande demais (conteúdo não disponível para a versão mobile)

O urologista e andrologista Paulo Egydio diz que é importante uma avaliação criteriosa antes da realização de qualquer procedimento, para analisar se a necessidade de intervenção existe. Segundo ele, a maioria dos homens que procura algum tipo de tratamento de aumento peniano não tem problema algum, dado que também foi informado pela SBU-SP. 

As aparências enganam

Psicoterapeuta e diretor do Inpasex (Instituto Paulista de Sexualidade), Oswaldo Martins Rodrigues Jr. acredita que é fundamental compreender as razões reais de um homem considerar o pênis pequeno e compreender como administrar essa condição. "A preocupação deveria ser com a capacidade de uso, e a possibilidade de penetração e relacionamento sexual satisfatório para o casal", explica. "As cirurgias no pênis deveriam ocorrer apenas quando há uma deformidade que impeça o funcionamento do órgão".
No segmento da estética, o diretor da SBCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica) Carlos Alberto Komatsu também diz que não existe nenhum método de aumento peniano aprovado pela entidade, mas diz que pacientes acima do peso podem lipoaspirar a região pubiana para tratar os casos de pênis embutidos na gordura abdominal. "A lipoaspiração faz com que o pênis apareça, mas não aumenta seu tamanho", explica. E, para quem está acima do peso, emagrecer ajuda, já que o acúmulo de gordura na região diminui com a perda de peso. 

 

TERAPEUTA FALA DOS MITOS DO SEXO

Riscos 


As cirurgias de aumento peniano podem causar diversos problemas, como deformações no pênis, perda de sensibilidade, nódulos, comprometimento da função erétil, acometimento da uretra e consequente impacto sobre o jato urinário. Em casos mais graves, o homem pode até perder o órgão, segundo o urologista e andrologista Paulo Egydio (e de acordo com informações dadas pela diretoria da SBU-SP).

O uso de hormônios e medicamentos para aumento do pênis não surtem efeito e podem causar doenças (incluindo as de próstata), assim como não há comprovação de que outros exercícios tenham alguma eficácia e/ou sejam seguros. 

Truque simples

Quem não pretende se submeter a um procedimento invasivo tem a opção de apelar para um truque simples: aparar os pelos pubianos. É claro que o pênis mantém a mesma medida, mas parece ganhar tamanho. Esteticista, depiladora e instrutora do Centro de Treinamento Pelo Zero Depilação, Priscilla Krapp confirma que alguns clientes comentam que a região pubiana sem pelos passa a impressão de que o membro tem outro tamanho.
"O que realmente acontece é que a área aparece mais limpa e causa a impressão de aumento", conta Leila Rosa, depiladora do salão Garagem. "Além de ser uma questão de higiene, aparar os pelos pubianos deixa a área próxima à base do pênis mais exposta e pode dar a aparência de um pênis maior",diz o urologista Egydio.

Desenvolvedores e bombas penianos

Os aparelhos de vacuoterapia (conhecidos como desenvolvedores ou bombas) são comercializados há cerca de um século e indicados no tratamento da disfunção erétil (mas só devem ser usados com recomendação médica). Há homens que procuram o produto com a intenção de aumentar o pênis, prática que não tem efeito comprovado nem é recomendada por urologistas.

Mesmo para o tratamento para o qual o aparelho é destinado, ele não é recomendado para pessoas com doenças sanguíneas ou lesões no pênis. Há riscos de ruptura de vasos sanguíneos, danos vasculares, disfunção erétil e gangrena.

Cirurgias e truques

Faloplastia ou aumento peniano: procedimento cirúrgico realizado em ambiente hospitalar sob anestesia e cuidados de assepsia no qual seccionam-se os ligamentos que prendem o pênis ao osso púbico. A lipoaspiração pubiana pode ser realizada simultaneamente quando o paciente tem excesso de gordura na região.
Resultado: não interfere na ereção nem na angulação do pênis. Ganha-se de 2 cm a 4 cm, desde que sejam realizados exercícios de fisioterapia pós-operatória. No caso de pacientes obesos ou com sobrepeso, a lipo tem efeitos estéticos e emocionais positivos.

Recuperação: o paciente não deve se masturbar nem manter relações sexuais nos 30 dias após a cirurgia.

Riscos: instabilidade do pênis em ereção, limitação da capacidade de penetração e comprometimento da vida sexual. Um profissional não capacitado pode perfurar inadvertidamente estruturas importantes, levando a fístulas e necrose.
Fonte:http://mulher.uol.com.br/comportamento/noticias/redacao/2012/10/17/procedimentos-para-aumento-do-penis-podem-ser-perigosos-veja-metodos.htm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

15 SINAIS QUE ELE QUER SÓ SEXO

GUIA ILUSTRADO DE SEXO ORAL EM MULHERES E HOMENS

O QUE É A EJACULAÇÃO FEMININA ?