O PRESERVATIVO FEMININO E A PREVENÇÃO DE DOENÇAS


Katilittle/Shutterstock

Hoje, dia 12 de setembro, é celebrado o primeiro Dia Mundial do Preservativo Feminino. O evento tem como objetivo divulgar informações sobre o método contraceptivo e aumentar o número de pessoas que sabem, usam e apoiam a utilização da camisinha para mulheres. O que você sabe sobre o preservativo feminino?

Embora ainda pouquíssimo conhecido, o preservativo feminino foi inventado na década de 80, mas só em 1993 começaram a ser vendidos em escala comercial. Infelizmente, eles ainda são mais caros que as camisinhas masculinas, além de serem pouco divulgados nos meios de comunicação (nas campanhas contra a AIDS, por exemplo, só vemos os preservativos tradicionais), o que contribui bastante para que o método seja pouco usado.

Manual de instruções

A camisinha feminina é formada por dois anéis de tamanhos diferentes, localizados em cada uma das pontas do preservativo. Ela é um pouco maior que a masculino (aproximadamente 17 cm de comprimento por 8 cm de diâmetro).



Vantangens

O preservativo para mulheres pode ser colocado por até oito horas antes da relação sexual e pode ser usado mesmo no período menstrual. Pelo fato de cobrir a vulva, essa camisinha oferece maior proteção contra DSTs, como o HPV (causador de câncer de colo do útero). Esse vírus é transmitido pelo contato com a lesão – tais como verrugas genitais e outros ferimentos nem tão aparentes. O problema é que essas feridas nem sempre estão localizada no pênis, único lugar que camisinha masculina protege.

Ao contrário dos preservativos convencionais, feitos de látex – material que causa irritação à muitos homens – a camisinha feminina é feita de poliuretano, substância com menor possibilidade de causar alergias.
 
A camisinha feminina possui espessura é mais fina e não aperta o pênis, conferindo mais sensibilidade durante a penetração e garantindo sensação maior contato físico com máxima proteção. Apesar de mais fina, esse preservativo bastante resistente e já vem lubrificado.
 
Somando-se a essas vantagens, um bônus: o anel externo da camisinha feminina estimula o clitóris, proporcionado ainda mais prazer para a mulher.
 
Políticas globais e realidade brasileira
 
Para quem gosta mais de teoria, um estudo bem bacana “Preservativo Feminino – das políticas globais à realidade brasileira”. A publicação aborda o processo de consolidação do preservativo feminino em cenários global e local, além de tratar do contexto atual do método contraceptivo, desde sua produção até os resultados da revisão sistemática de sua eficácia, efetividade e aceitabilidade.

Ana Flávia de Oliveira*

*Ana Flávia de Oliveira, jornalista e blogueira. Adora e transformar os tabus em papos do dia a dia e falar sobre sexo em conversas de buteco. Tem um blog sobre o assunto.

Fonte:http://www.uai.com.br/

O preservativo masculino é constituído por um invólucro de látex (borracha fina) pré-lubrificado ou em poliuretano ultrafino que vem enrolado e funciona como uma barreira física que impede os fluidos genitais de entrarem em contacto com a  vagina, o ânus ou a boca, evitando assim uma gravidez ou a transmissão de infecções.

O preservativo deve ser colocado no pénis erecto antes de qualquer contacto genital, isto porque, mesmo antes da ejaculação, existe a produção do líquido pré-ejaculatório (que pode já conter espermatozóides). É um bom método contraceptivo eficaz, prático e seguro.
O preservativo feminino é um método contraceptivo que foi criado para ser colocado no interior da vagina. É um método de barreira eficaz que evita a entrada dos espermatozóides e de agentes infecciosos na vagina.

Este preservativo não está actualmente à venda nas farmácias, embora se estejam a realizar esforços nesse sentido, contudo, existe nos centros de saúde ou em algumas associações.
Qualquer tipo de prática sexual não protegida constitui um risco de contágio de infecções sexualmente transmissíveis quando uma das pessoas está infectada (e, às vezes, não sabemos), pelo que o preservativo tem um papel fundamental nesta prevenção.
A fim de utilizar um preservativo com mais segurança é necessário observar alguns cuidados, tais como: 
  • O estado de conservação da embalagem;
  • Certificação de qualidade;
  • Prazo de validade;
  • Conservação das embalagens dos preservativos em lugares frescos e afastados do sol directo;
  • Abrir a embalagem com cuidado (sem utilizar objectos cortantes e evitar que as unhas rompam o preservativo);
  • Utilizar o preservativo apenas uma vez;
  • Não esquecer de usar sempre preservativos de marca conhecida isto porque os preservativos de marcas desconhecidas podem não estar certificados ou aprovados pela Defesa do Consumidor e pelas normas da União Europeia;
  • Qualquer medicamento que se aplique no pénis ou na vagina poderá afectar o preservativo; em caso de dúvida, fala com o médico.
Nota: para uma boa utilização do preservativo deverás ler o folheto informativo que acompanha a embalagem.  
Para colocar correctamente o preservativo é necessário estar atento aos seguintes passos:
• Colocar o preservativo quando o pénis estiver em erecção e antes de qualquer contacto genital; 
• Segurar com os dedos a ponta do preservativo – reservatório ou depósito do esperma – para expulsar o ar (o ar em excesso pode fazer com este rebente); 
• Colocar e desenrolar o preservativo ao longo do pénis até à base; 
• Verificar se  o depósito do preservativo se encontra vazio para receber o esperma; 
• Se for necessário uma lubrificação adicional, deve-se apenas utilizar lubrificantes à base de água;
• Após a ejaculação deve-se retirar o preservativo com cuidado, dar um nó e deitá-lo no lixo.
Sim, os preservativos quando usados correctamente e de forma regular são muito eficazes.
É o único método contraceptivo que, para além de proteger de uma gravidez indesejada, também protege das infecções sexualmente transmissíveis.  
É importante dizer que os preservativos não rompem. No entanto, algumas falhas de fabrico, embalagem, transporte ou utilização podem diminuir a sua eficácia.
 
Quando o preservativo falha, aumenta o risco de contraíres uma IST e/ou a possibilidade de uma gravidez.
 
Para evitares uma gravidez podes recorrer à contracepção de emergência, no prazo de 120 horas após a relação sexual, devendo ser usada o mais próximo da relação quanto possível.
Deves estar atento(a) relativamente a este ponto visto que alguns preservativos com aromas são de fantasia e poderão não garantir uma protecção eficaz.
Se este tipo de preservativo estiver de acordo com as normas exigidas, são seguros tal como os restantes.
Apesar de não ser uma situação comum, existem pessoas que fazem alergia ao látex e/ou ao lubrificante dos preservativos. Quando se experimenta várias marcas (com e sem lubrificante) e as reacções alérgicas se mantêm, o melhor será adquirir preservativos de poliuretano.
Podes adquiri-los gratuitamente nos Centro de Saúde e nos Centros de Atendimento a Jovens.
Podes comprá-los nas farmácias, nos supermercados, nas máquinas que se encontram nas discotecas, bares e centros comerciais (nestes casos, deves ter atenção ao período de validade dos preservativos e se estas máquinas estão no exterior, ou seja, expostas ao calor).

A utilização correcta e regular do preservativo é um sinal de responsabilidade.
 
Fonte:http://juventude.gov.pt/SaudeSexualidadeJuvenil/Sexualidade/PrevencaoContracepcao/Paginas/Opreservativo.aspx


Um Dele e um Dela: Preservativos Masculinos e Femininos

Fonte:http://artedocuidarnasaude.blogspot.com.br/2012/03/um-dele-e-um-dela-preservativos.html

Não há como negar: Usar camisinha durante a relação sexual é a melhor e mais segura maneira de se proteger contra DSTs (doenças sexualmente transmissíveis), inclusive a Aids! Além disso, é um bom método de prevenção da gravidez, pois o preservativo impede o contato com o sangue, o esperma e a secreção vaginal. Dessa forma, a camisinha deve ser sua maior aliada em todas as relações sexuais!  




Vale a pena usar preservativo porque:

1. É higiênico


É a forma mais confiável de se transar. Previne doenças sexualmente transmissíveis e gravidez.



2. Não tem contra-indicações
A camisinha não possui efeitos colaterais. Os casos de alergia a látex são muito raros e, para estas pessoas, há sempre os preservativos feitos com poliuretano.



3. Tem para todos os gostos
Com maior ou menor espessura, com lubrificante ou não, com cores diferentes, texturas, sabores ou até tocando música, a camisinha pode se transformar em um componente altamente divertido da relação sexual. Desde que, claro, se tenha a certeza de que ela é segura. Acima de tudo, porém, o uso da camisinha obriga as pessoas a pensarem na necessidade de praticar o sexo com responsabilidade, o que acaba se refletindo em todos os aspectos de sua vida sexual e amorosa. Seja um testador dos diferentes tipos de camisinha, assim você se protege e se diverte!! 

Onde pegar ?!

O preservativo masculino, assim como o feminino, é distribuído gratuitamente em toda a rede pública de saúde e em algumas escolas parceiras do projeto Saúde e Prevenção nas Escolas. Caso você não saiba onde retirar a camisinha, ligue para o Disque Saúde (136) e se informe.



CAMISINHA MASCULINA


O preservativo masculino ou camisinha é uma capa de borracha (látex) que, colocada corretamente sobre o pênis, evita a transmissão de aids, hepatites virais e outras doenças sexualmente transmissíveis (DST). Serve, também, para evitar a gravidez. 

Por que a camisinha masculina estoura?
  • más condições de armazenamento;
  • não observação do prazo de validade;
  • danificação da embalagem;
  • sexo anal sem lubrificação adequada;
  • uso de lubrificantes oleosos em vez de aquosos;
  • presença de ar e/ou ausência de espaço para recolher o esperma na extremidade do preservativo;
  • tamanho inadequado do preservativo em relação ao pênis;
  • retirada do pênis sem que se segure firmemente a base do preservativo;
  • uso de dois preservativos (devido à fricção que ocorre entre eles);
  • uso de um mesmo preservativo durante coito prolongado.
  • Atente-se à adequada maneira de uso do preservativo e evite danos!


Como utilizar o Preservativo Masculino:




CAMISINHA FEMININA
A camisinha feminina também serve para se prevenir contra a aids, hepatites virais e outras doenças sexualmente transmissíveis. Assim como a opção masculina, também evita uma gravidez não desejada.  É feita de poliuretano, um material mais fino que o látex da camisinha que envolve o pênis. É, também, mais lubrificada.
A camisinha feminina possui cerca de 15 centímetros de comprimento e oito de diâmetro e possui dois anéis flexíveis (um menor e o outro maior). O anel menor é móvel e fica na extremidade fechada, servindo de guia para a colocação da camisinha no fundo da vagina. O segundo (anel maior), na ponta oposta, é aberto e cobre a vulva (parte externa da vagina).
Há muitas pessoas que criam estigmas e pré-conceitos acerca da camisinha feminina sem nunca ter sequer experimentado! Este preservativo dá independência à mulher e maior liberdade ao homem, sem abrir mão do sexo seguro. Se você nunca experimentou, o que te impede?! Experimente e tenha sua própria opinião!

Observações:
  • não usar o preservativo feminino junto com o preservativo masculino, pois o atrito e a fricção entre ambos podem favorecer o rompimento. Ou usa só o preservativo masculino ou só o preservativo feminino a cada relação sexual. 
  • ao contrário do preservativo masculino, o feminino pode ser colocado até oito horas antes da relação e retirado com tranquilidade após a relação, de preferência antes de a mulher levantar-se, para evitar que o esperma escorra do interior do preservativo;
  • para colocá-lo corretamente, a mulher deve encontrar uma posição confortável (em pé com um dos pés em cima de uma cadeira, sentada com os joelhos afastados, agachada ou deitada).
  • O anel móvel deve ser apertado e introduzido na vagina. Com o dedo indicador ele deve ser empurrado o mais profundamente possível para alcançar o colo do útero; a argola fixa (externa) deve ficar aproximadamente 3 cm para fora da vagina; durante a penetração o pênis deve ser guiado para o centro do anel externo.
  • Uma vez terminada a relação sexual, a camisinha deve ser retirada apertando o anel externo. Depois, basta puxar o preservativo para fora delicadamente. E a cada nova relação deve-se usar um novo preservativo.

Como usar o Preservativo Feminino:


Cuidados que se devem ter com a Camisinha Masculina e Feminina:
Na hora de comprar e de usar qualquer tipo de preservativo preste atenção na data de validade indicada na embalagem. 
Não utilize preservativos que estejam muito tempo guardados em locais abafados, como bolsos de calça, carteiras ou porta- luvas de carro, pois ficam mais sujeitos ao rompimento. Evite, igualmente, o uso de preservativos sobrepostos, pois também podem se romper com o atrito ou até mesmo se soltar/enrolar. 
Confira outros cuidados importantes:

• O preservativo deve estar sempre disponível, tenha um sempre à mão; 

• Armazene a camisinha em lugar fresco e seco, já que o calor, a luz e a umidade podem danificá-la;

• Certifique-se de que o produto contenha a identificação completa do fabricante ou do importador. É muito importante verificar se a embalagem do preservativo traz o símbolo de certificação do INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia, cuja finalidade é comprovar a qualidade do produto. 

• Leia atentamente as instruções contidas na própria embalagem, ou em outro material informativo. 

• Use preferencialmente as camisinhas lubrificadas, que vêm embaladas em pacotinhos quadrados à prova de luz; 

• Também dê preferência a camisinhas que possuam espermicidas, pois eles aumentam a eficácia desse método; 
• Não use lubrificante à base de derivados de petróleo. Se necessitar de mais lubrificação, use lubrificante à base de água (KY gel, geléias ou cremes espermicidas, que ainda aumentam a eficácia da camisinha, glicerina);


Lembre-se: manuseie com cuidado. Unhas, dentes e anéis podem rasgar; não desenrole antes de usar. Além disso, nunca use dois preservativos juntos, pois a fricção e o atrito entre eles durante a relação sexual pode provocar o rompimento. 

Quem viaja, perde a noção
A utilização de drogas, incluindo álcool, maconha, cocaína, crack ou ecstasy, não é uma boa. Você pode perder a noção do risco e esquecer da camisinha, por exemplo. Já o uso de drogas injetáveis é a forma mais arriscada para se contrair o HIV devido o compartilhamento de seringas. 


Basta uma única vez!
Quando não se tem certeza de que há fidelidade na relação, a camisinha deve sempre estar à mão! Uma única vez sem camisinha pode ser o suficiente. Assim, para efeito de prevenção do HIV, não importa onde, com quem ou com quantos você transa. Tanto faz se é com homem, com mulher, por amor, por diversão, ou por dinheiro. Solteiro (a) ou casado (a), não importa se você está apaixonado ou é fiel ao namorado(a) . Muito menos se você é soronegativo, positivo ou ainda não fez o teste anti-HIV. O que importa é transar de forma segura. Exija sempre camisinha. Esse é um comportamento de respeito e solidariedade. É a prova de que você pensa em si mesmo e no outro.


Faça o teste. É gratuito. 
 
 
 
 

Se você acha que teve um comportamento de risco (fez sexo sem camisinha, compartilhou seringas, etc) faça o teste anti-HIV, de preferência três meses depois do comportamento de risco, tempo necessário para aparecer os anticorpos. Faça preferencialmente na rede pública, que oferece aconselhamento antes e depois do teste. Tente conter a ansiedade e lembre-se de que resultado negativo não é vacina contra a Aids. E se o teste der positivo converse bastante com um profissional de saúde. Procure um grupo de apoio, que pode lhe ajudar a enfrentar a situação.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

15 SINAIS QUE ELE QUER SÓ SEXO

GUIA ILUSTRADO DE SEXO ORAL EM MULHERES E HOMENS

O QUE É A EJACULAÇÃO FEMININA ?